Onde a floresta tropical e a savana se encontram

A ONG Instituto Araguaia e a Sociedade Zoológica de Frankfurt trabalham para proteger o ecossistema do Cantão no Brasil.

Refeição em família para as ariranhas no Brasil.
Refeição em família para as ariranhas no Brasil. William D. Jaynes (BJY) / Danita Delimont

No meio, o poderoso rio Araguaia flui com seus meandros entre dois mundos contrastantes: de um lado, o verde escuro exuberante da floresta amazônica, do outro, o amarelo ocre da savana entremeado de verde pálido. Estes ecossistemas só chegam tão perto um do outro no Cantão, como é chamado este trecho de terra no Brasil central. Felizmente. Porque aqui, lobos-guará ou tamanduás fogem cada vez mais para a floresta tropical, que está tão próxima, quando a estepe queima. No passado, isso só acontecia quando um raio iniciava ocasionalmente um incêndio, mas agora a estepe também arde quando a terra é desmatada ilegalmente.

Há mais de 20 anos, Silvana Campello e George Georgiadis se apaixonaram por esta paisagem extraordinária, onde vivem mais espécies de peixes em centenas de lagos e braços de rio, do que em toda a Europa. Naquela época, os dois cientistas desenvolveram aqui, em nome do governo do Estado de Tocantins, a ideia do Parque Natural do Cantão, que foi criado em 1998. Desde 2012, a Sociedade Zoológica de Frankfurt (ZGF), da Alemanha, tem apoiado seu trabalho. Anos depois, quando se aposentaram, eles fundaram a ONG Instituto Araguaia e declararam a preservação do Cantão como o trabalho de sua vida. «Nós não temos filhos», explica Silvana, «e queremos deixar algo positivo para a Terra».

Silvana Campello e George Georgiadis fundaram o Instituto Araguaia.
Silvana Campello e George Georgiadis fundaram o Instituto Araguaia.
Instituto Araguaia

O “cerrado”, como é chamada a savana brasileira, é um dos mais importantes fornecedores de água da América do Sul e um “hot spot” da biodiversidade com inúmeras plantas endêmicas. Hoje, mais de dois terços da paisagem original da área, que se estendia inicialmente por vários milhões de hectares, desapareceram devido ao aproveitamento agrícola. Como resultado, a biodiversidade também está diminuindo. Ao contrário da maior parte do cerrado, a floresta inundada do Cantão é extremamente fértil – e, portanto, muito apreciada entre pelas empresas agrícolas, que criam gado e cultivam soja ali, poluindo as águas com pesticidas. No entanto, o território ao redor da Ilha de Bananal contém áreas inestimáveis de natureza intocada, muitas vezes em fazendas tradicionais, que fazem fronteira diretamente com a área protegida de 90.000 hectares. Durante a estação chuvosa, até 88 % da área do parque é inundada, em parte com vários metros de altura, e é por isso que alguns animais raros também precisam dessas fazendas vizinhas para escapar. Ornitólogos avistaram um par da espécie de pica-pau Celeus obrieni, da qual o último espécime havia sido registrado em 1923. Ano após ano, a ariranha Pteronura brasiliensis, que não encontra peixe suficiente para se alimentar em outro lugar, reproduz-se aqui. O pirarucu, um dos maiores peixes de água doce vive aqui, e o golfinho do rio Araguaia é até endêmico.

A Sociedade Zoológica de Frankfurt apoiou o trabalho pela primeira vez com conhecimentos técnicos: Silvana Campello e George Georgiadis entraram em contato com o diretor da ZGF, Christof Schenck, que é um especialista comprovado em ariranhas gigantes. Até hoje, o povo de Frankfurt fornece ao instituto um financiamento anual. Ele é usado para financiar os salários dos guardas-parques, equipamentos de combate a incêndios e combustível. “É extraordinário que não tenhamos nosso próprio pessoal envolvido num projeto”, explica Antje Müllner, chefe da divisão América do Sul e Sudeste Asiático da ZGF. “Mas o Cantão é um projeto pequeno para nosso portfólio”. A cada par de anos, Müllner viaja ao Brasil para uma visita. “Os enormes campos de soja ao redor do parque natural já eram impressionantes da última vez”, diz a ecologista tropical. “Estou muito curiosa sobre o que vou encontrar desta vez. Na preservação da natureza, é bastante positivo se nada mudar em dez anos”. Emocionada, ela acrescenta: “Uma imagem do Cantão em particular ficou gravada na minha mente: os golfinhos saltando elegantemente de uma piscina de água rasa para a próxima, durante a estação da seca!

O Instituto Araguaia identificou as áreas intocadas através de fotos de satélite e, desde então, Silvana Campello entra em contato com seus proprietários. Seu objetivo é ou comprar as áreas particularmente sensíveis através de doações – ou transformá-las em áreas protegidas privadas, numa parceria com os fazendeiros. Muitos agricultores são fundamentalmente incrédulos em relação às ONGs. Outros – principalmente a geração dos herdeiros – estão mais abertos a sugestões. “Um golpe de sorte em particular foi nosso encontro com o herdeiro de uma fazenda de gado que vivia na cidade grande, não sabia nada sobre criação e não sabia bem o que fazer com sua herança. Quando fomos vê-lo, ele imediatamente ficou entusiasmado com a ideia da agrossilvicultura e da preservação da natureza. Desde então, com nosso apoio, ele converteu mais da metade de sua fazenda na Reserva Natural Privada Guaíra e recebe ecoturistas numa pousada construída propositadamente na margem do rio”.

A Sociedade Zoológica de Frankfurt (ZGF) é uma organização internacional de proteção da natureza. Foi fundada em Frankfurt do Meno em 1858 e tem dois objetivos: a preservação da biodiversidade global e a promoção do Jardim Zoológico de Frankfurt. Em todo o mundo, 440 pessoas trabalham para 29 projetos de preservação da ZGF em 18 países.

© www.deutschland.de