Ucrânia – Verdade em vez de falsas notícias

Checando os fatos. O que Putin diz sobre os motivos da sua guerra contra a Ucrânia e o que realmente é verdade.

 

Pessoas fugindo da guerra.
Pessoas fugindo da guerra. dpa

O presidente russo Vladimir Putin justificou o seu ataque à Ucrânia com muitas razões diferentes.  Fazemos aqui uma averiguação dessas razões, checando as suas veracidades.

Putin diz: As pessoas na Ucrânia estão “sofrendo agressões físicas e genocídio já há oito anos”.

Isso é falso. “Genocídio” é definido pelas Nações Unidas como “Um crime proposital que aniquila uma comunidade, um grupo nacional, étnico ou religioso”. Na Ucrânia, os dois lados da “linha de contato” da Ucrânia Oriental com as regiões separatistas estão sendo sendo observados desde 2014, com a aprovação da Rússia, pela Missão de Observadores da OSCE. Essa missão documenta todos os casos de morte. Não existe nenhuma informação de genocídio. A Rússia é membro da OSCE.

Putin diz que a Ucrânia é dirigida por um regime nazista e a Rússia deveria “se preocupar com a desmilitarização e desnazificação da Ucrânia”.

Isso é falso. O governo da Ucrânia foi eleito em uma eleição democrática, observada pela OSCE.  Volodymyr Zelensky, judeu de língua russa, ganhou as últimas eleições presidências com maioria impressionante de votos. Não há nenhuma razão plausível para a afirmação de Putin.

Igor Yevgenyevich Konashenkov, porta-voz do Ministério da Defesa da Federação Russa, diz:  “Nada ameaça a população civil” .

Isso é falso. O massivo ataque de bombas e foguetes em cidades e municípios ucranianos causou a morte de muitas pessoas civis. A população civil ucraniana está sofrendo muito sob os ataques contra o seu país.

Putin diz: “Não nos deixaram nenhuma outra opção para defender a Rússia e nosso povo”, fazendo referência ao Capítulo 7 Artigo 51 da Carta da ONU.

Isso é falso. Não foi a Ucrânia que atacou a Rússia, portanto o ataque de Putin contra a Ucrânia não é nenhum ato de “defesa”, no sentido da Carta da ONU. A invasão de um país, ao qual se nega o direito de existir, nunca pode ser “defesa” no sentido da ONU.

Putin diz: “A Rússia fez de tudo para preservar a integridade territorial da Ucrânia”.

Isso é falso. Putin anexou a Crimeia em 2014, violando clara e intensamente o Direito Internacional pela primeira vez na Europa depois da II Guerra Mundial. A sua guerra contra a Ucrânia está voltada contra toda a existência de um Estado independente e democrático. (com dpa e a Deutsche Welle)

© www.deutschland.de