Viagem de bicicleta por 5 euros ao dia

Kit Crane foi de bicicleta de Londres a Nova Zelândia em 19 meses. Usando a plataforma “warmshowers”, essa viagem quase não lhe custou nada, nem mesmo na Alemanha.

Weserbergland, bei Wehrden
Adobe Stock

O britânico Kit Crane foi de bicicleta de Londres a Nova Zelândia. Durante as suas etapas pela Alemanha, ele usou a plataforma “warmshowers”, onde há ofertas grátis de pernoites para ciclistas em casa de outros ciclistas. Ele conta aqui as suas experiências:

“Quando terminei meus estudos na universidade, em 2018, precisei de um novo desafio. Por que não ir de bicicleta de Londres a Nova Zelândia? É claro que isso foi um exagero de minha parte, pois os planejados doze meses redundaram em 19 meses. Mas eu consegui realizar esse sonho. A Alemanha foi o quarto de 25 países. Passando pela Bélgica e por Luxemburgo, cheguei na pequena e linda cidade de Saarburg, perto de Trier. Depois, viajei ao longo do Mosela, passando por inúmeras viticulturas e enormes castelos.

Kit Crane, 26 anos de idade
Kit Crane, 26 anos de idade privat

Notei rapidamente que teria de trabalhar ativamente contra a solidão, pois andava todo o dia sozinho de bicicleta, somente acompanhado pelo que ia na minha cabeça. Depois de algumas semanas, estava lá sentado e pensei: ‘Está bem, você não falou com ninguém durante esses dias. Pense em algo que possa fazer!’ As curtas perguntas que se fazem a pessoas sobre o caminho a seguir já parecem ser verdadeiros diálogos.

Daí, então, tentei usar a plataforma “warmshowers”. A ideia de pernoitar em casa de pessoas estranhas me parecia um tanto estranha. Meu primeiro contato, de Mainz, se dispôs a ir de bicicleta ao meu encontro, pois ele próprio sempre percorre esse trecho, o Vale do Reno com a famosa Loreley. Ele foi muito simpático, explicando uma coisa que já tinha estado o tempo todo na minha cabeça: O que fazem esses homens durante a semana, puxando carrinhos de madeira cheios de cerveja? Ele me contou que isso é uma tradição do Dia dos Pais.

O rio Mosela e o vinho: os primeiros 100 quilômetros na Alemanha
O rio Mosela e o vinho: os primeiros 100 quilômetros na Alemanha privat

Durante esse meu primeiro encontro, eu ainda tinha querido levar a minha própria comida comigo, mas rapidamente compreendi que ‘warmshowers” é como em ‘couchsurfing’: dar e receber. Quem nos acolhe já foi, ele próprio, acolhido por um outro, depois de um longo trecho de corrida. Minhas experiências com essa forma de pernoite só foram positivas.

A primeira parada de Kit pela “warmshowers”: a cidade de Mainz às margens do Reno
A primeira parada de Kit pela “warmshowers”: a cidade de Mainz às margens do Ren privat

A melhor coisa que existe no ciclismo é que ele é realmente bem em conta. Normalmente temos que trabalhar anos a fio para financiar uma tal viagem. Depois da universidade, trabalhei um par de meses e o que ganhei foi suficiente, pois gastei apenas cerca de cinco euros por dia. E isso foi para mim o modo mais sustentável de viajar. Por uma razão incompreensível, a minha bicicleta conseguiu sobreviver até hoje e até mesmo uma outra volta pela Escócia”.

Na Baviera, ao longo do Meno
Na Baviera, ao longo do Meno privat