Apoio para o Sudão

O ministro alemão de Relações Externas, Heiko Maas, encontrou-se no país africano com políticos e representantes da sociedade civil.

Unterstützung für den Sudan
dpa

Cartum (dpa) – Poucas semanas depois da queda do governo no Sudão, o ministro alemão de Relações Externas, Heiko Maas, prometeu apoio ao terceiro maior país africano, no seu caminho para um futuro democrático. «Nessa fase, este país e a nova liderança política necessitam do apoio da Alemanha e da Europa», afirmou o ministro na terça-feira, na capital sudanesa Cartum. Ele é o primeiro ministro de Relações Externas a visitar o país, após a queda em abril do chefe de Estado de longa data, Omar al-Bashir.

Durante 30 anos, Omar al-Bashir governou com mão de ferro o país rigorosamente islâmico e foi destituído do poder depois de meses de protestos. Há pouco mais de duas semanas, foi empossado um governo formado pelo Conselho Militar e pela oposição, que é liderado pelo primeiro-ministro Abdullah Hamduk.

Num ofício de congratulação, a chanceler federal alemã também garantiu, na segunda-feira, apoio a Hamduk. «A Alemanha estará do seu lado como parceira confiável, quando se tratar de garantir a paz interna e o desenvolvimento do seu país, mas também de toda a região», escreveu ela. «Desejo encorajá-lo a ser, com muita perseverança e cautela, a ponte para a superação das diferenças internas e a contribuir para a reconciliação de todos os sudaneses e sudanesas».

Na noite da terça-feira, Maas prossegue viagem para o Congo. Lá, ele pretende informar-se sobre a maior missão de paz da ONU, MONUSCO (Missão das Nações Unidas na República Democrática do Congo), e sobre a luta contra a epidemia de ebola. Desde cerca de um ano, a doença grassa nas províncias de Kivu do Norte – que será visitada por Heiko Maas – e de Ituri no Leste do país. Apesar de todos os esforços para combater a epidemia, mais de 3000 pessoas contraíram entretanto a doença.

Fonte: dpa; tradução: deutschland.de