Conferência de doadores sobre o Afeganistão

A comunidade internacional visa combater a fome e evitar o colapso da vida púbica nesse país. O ministro das Relações Externas, Maas, propõe que a ajuda esteja submetida a condições.

Afghanische Kinder
picture alliance/dpa

Genebra (dpa) – Quase um mês depois de o grupo militante islamista Talibã ter retomado o poder no Afeganistão, a comunidade internacional realizará na segunda-feira uma conferência de doadores em Genebra. Esse encontro, patrocinado pelas Nações Unidas, tem o objetivo de combater a fome e evitar o colapso da vida pública nesse país da Ásia Central. As organizações de ajuda da ONU notificaram uma necessidade financeira de 606 milhões de dólares (513 milhões de euros) até dezembro. Muito países estão prontos a ajudar, mas sob algumas condições.

Cerca de 40 ministros deverão estar presentes nessa conferência, entre eles, o ministro federal das Reações Externas da Alemanha, Heiko Maas. O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, também pretende vir para Genebra. Muitos outros participarão por videoconferência. Os Talibã assumiram novamente o poder no Afeganistão em meados de agosto. Quase todas as tropas internacionais já saíram desse país, depois de quase 20 anos de ter estado lá em missão.

Antes do seu voo para Genebra, o ministro Maas disse: “Como comunidade internacional, é agora nosso dever assumir responsabilidade pelas pessoas no Afeganistão, prestando lá ajuda humanitária, o que é urgentemente necessário. Isso pressupõe que as organizações humanitárias possam atuar livremente no seu campo de ajuda, que o os funcionários e as funcionárias das organizações de ajuda não sejam intimidados pelos Talibã, que não estejam ao arbítrio deles e que não sofram restrições no desempenho do seu trabalho”. É óbvio que essa missão não estaria envolvida em atividades que ultrapassassem os limites da ajuda puramente humanitária. Um reajuste dessa linha no futuro dependeria apenas da atuação dos Talibã.

Fonte: dpa, tradução: deutschland.de