Dar «sinal de humanidade»

O debate sobre migração está novamente em pauta, em virtude do drama de Lesbos. A Alemanha, como presidente do Conselho da UE, assumirá a liderança? 

„Zeichen der Humanität“ setzen
dpa

Berlim/Atenas (dpa) – A Alemanha deve assumir a liderança na aceitação de migrantes das ilhas gregas – ou deve tentar convencer outros países da UE a adotar uma solução mais abrangente para o problema do asilo político? Após o incêndio no campo de refugiados de Moria, na ilha de Lesbos, o debate na Alemanha é mais acalorado que nunca. O governo alemão, como atual presidente do Conselho da UE, continua buscando uma solução europeia e abstém-se de ofertas unilaterais para a acolhida dos refugiados.

Porém,  o ministro da Cooperação para o Desenvolvimento, Gerd Müller, mudou agora seu posicionamento e reivindica que 2000 migrantes sejam acolhidos pela Alemanha. O político da CSU disse à emissora de televisão ARD, na quarta-feira à noite, que a Alemanha deveria liderar a solução do problema com um «sinal de humanidade». «Eu pessoalmente sou da opinião de que devemos aceitar as ofertas feitas por governos estaduais alemães». Vários Estados tinham estipulado números concretos de migrantes que estariam dispostos a acolher. Eles solicitaram para tal a permissão do governo federal alemão, que é responsável pela questão. Os governos estaduais sabem que que teriam então de arcar com a maior parte dos custos. Até agora, o governo federal alemão declarou apenas que a Alemanha irá ajudar a Grécia.

Fonte: dpa; tradução: deutschland.de