Sistema cosmopolita 
de ciência

Na Alemanha, trabalham cada vez mais cientistas internacionais.

De todo o mundo chegam cientistas à Alemanha para ensinar e pesquisar. Seu número subiu continuamente nos últimos anos. Em 2014, 40 000 cientistas ­internacionais trabalhavam nas instituições de ensino superior alemãs: um 
crescimento de 84 % em comparação a 2006. As instituições não-universitárias de pesquisa também são atraentes 
para pesquisadores internacionais. A presença deles aumentou para 
cerca de 9000, o que equivale a 20 % de todo o quadro de pessoal científico. 
Estes ­resultados estão no relatório “Ciência Cosmopolita 2016”, apresentado 
pelo Ministério Federal de Educação e Pesquisa da Alemanha (BMBF), em 
conjunto com o Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD) e o Centro Alemão de Pesquisa de Ensino Superior e Ciência (DZHW). Entre os principais países de origem dos cientistas internacionais na Alemanha, estão China, 
Itália, Áustria, Rússia, Índia e Estados Unidos.

www.wissenschaftweltoffen.de