A presidência alemã do G20

O que é o G20? E quem faz parte dele? O que é preciso saber sobre o encontro de cúpula em Hamburgo.

G20 Summit Hamburg
G20 Summit Hamburg Bundesregierung/Tybussek - G20 Summit Hamburg

O que é o G20?

O Grupo dos Vinte (G20) é o foro central da cooperação internacional em questões econômicas e financeiras. Os países do G20 representam quase dois terços da população mundial, mais de quatro quintos do Produto Interno Bruto (PIB) e três quartos do comércio mundial. Suas decisões têm grande efeito e impulsionam as reformas nacionais e internacionais.

Quem pertence ao G20?

O G20 é constituído por 19 Estados e pela União Europeia (UE). Estes países são: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, China, Coreia do Sul, EUA, Federação Russa, França, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, Reino Unido e Turquia. Além disso, a convite do país que preside o G20, participam na reunião de cúpula as seguintes organizações internacionais: Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Mundial (BM), Conselho de Estabilidade Financeira (FSB), Organização para a Cooperação Econômica e o Desenvolvimento (OCED), Organização do comércio Mundial (WTO), Organização Internacional do Trabalho (OIT) e Nações Unidas (ONU).

Quem virá à reunião de cúpula?

Toda presidência do G20 também costuma ter estreito contato com diferentes grupos de interesse e com países não pertencentes ao G20. A presidência alemã convidou a Espanha, a Holanda, a Noruega e Singapura a participar na reunião do G20. Além destes países, estarão também presentes os representantes da União Africana (UA), da Nova Parceria para o Desenvolvimento da África (NEPAD) e da Comunidade Econômica Ásia/Pacífico (APEC). Antes de cada reunião de cúpula, acontece um intercâmbio com organizações não-­governamentais, com associações econômicas, com sindicatos e com os representantes do Parlamento e de embaixadas estrangeiras.

Como trabalha o G20?

As reuniões de cúpula dos chefes de Estado e governo são a parte mais visível do processo do G20. A responsabilidade pela organização e preparação das conferências fica a cargo do país que assume a presidência. Durante os preparativos desses encontros há um intenso intercâmbio entre os governos, para coordenar os diferentes níveis de trabalho, e há também conferências sobre temas específicos, em parte a nível ministerial. De acordo com este plano, já houve no começo de 2017 um encontro entre os ministros da Agricultura, das Relações Externas, da Finança, dos Assuntos Digitais, do Trabalho e da Saúde. Os temas da reunião de cúpula são preparados pelos negociadores principais, os chamados “Sherpas”, que se reúnem várias vezes ao ano e em três dias diretamente antes da reunião de cúpula. Na conclusão de cada reunião de cúpula são publicadas as declarações da cúpula (os comunicados), com os mais importantes resultados, acompanhados por relatórios e planos de trabalho.

Até que ponto o G20 é aberto?

A presidência alemã do G20 dá muito valor ao diálogo com a sociedade civil, ouvindo suas propostas sobre os temas do G20. Por isso, a chanceler alemã Angela Merkel reuniu-se em foros de diálogo,  nos meses antes da cúpula, com representantes internacionais de organizações não-governamentais (Civil20), de sindicatos (Labour20), da ciência (Science20), das mulheres (Women20), da juventude (Youth20), da economia (Business20) e de Think Tanks (Think20). Os impulsos, as posições e as recomendações desses foros deverão enriquecer os debates do G20.  

Que êxitos houve?

O G20 é um grêmio importante, mas informal, da cooperação internacional. Baseando-se em compromissos voluntários, suas decisões exercem grande influência sobre a política dos Estados e podem dar importantes impulsos a acordos vin­culativos. Encontrando-se diante de uma ameaçadora recessão mundial, com desfechos imprevisíveis, a primeira cúpula do G20, em 2009, aprovou medidas imediatas de conjuntura, o que aliviou a tensão nos mercados. Nessa e nas cúpulas seguintes foram tomadas outras medidas para a regulação dos mercados financeiros internacionais. Em 2015 e 2016 forma determinadas importantes resoluções para o combate à sonegação fiscal. Ao lado da política econômica e financeira, também são feitas importantes observações sobre outras questões globais, como a política do clima e a cooperação ao desenvolvimento.

Onde há mais informações?

O website da presidência alemã do G20 informa amplamente em inglês e alemão sobre os temas e as questões básicas do G20. Aqui também se podem ler os documentos da cúpula já apresentados e ver os resultados de Hamburgo.

g20.org