Como se viaja “fair”?

Viajar um fim de semana para fazer compras em Nova York? É melhor pensar mais uma vez, aconselha Frank Herrmann, autor de “FAIRreisen”.

Viagens de bicicleta são um exemplo de turismo sustentável
Viagens de bicicleta são um exemplo de turismo sustentável dpa

Alemanha. Os turistas propiciam empregos e desenvolvimento econômico – mas suas viagens também sobrecarregam frequentemente o meio ambiente e incentivam condições injustas de trabalho. Por isso, os turistas têm uma reponsabilidade com as pessoas e o clima, considera Frank Herrmann, autor do livro “FAIRreisen”. Uma conversa por ocasião do Ano Internacional do Turismo Sustentável.

Frank Herrmann, autor de “FAIRreisen“
Frank Herrmann, autor de “FAIRreisen“ Privat

Sr. Herrmann, como se viaja com “fair play”?
Em primeiro lugar, deve-se levar em consideração uma forma de férias que afete pouco o clima, por exemplo, uma excursão de bicicleta na Alemanha ou uma viagem de trem pela Europa. Em segundo lugar, é importante comportar-se no país de férias da mesma forma ecológica e social, como se está acostumado em casa. Isso já começa com o saco de pano que se leva para fazer compras. Em terceiro lugar, deve-se prestar atenção em que as pessoas locais sejam beneficiadas com o fluxo do dinheiro, e não apenas as empresas de turismo que operam mundialmente. Ou seja, de preferência fazer reserva num hotel de média categoria, utilizar os táxis, pedir a indicação de guias turísticos locais.

Na decisão a favor ou contra um destino de férias, também é importante o aspecto dos direitos humanos.

O autor de “FAIRreisen”, Frank Hermann

Muitos alemães levam em consideração o “fator fairness” das suas férias?
É uma exceção, quando alguém vai à agência de turismo e reserva explicitamente uma viagem sustentável. Para a maioria dos turistas, o preço e a segurança são as questões principais. Caso uma viagem seja sustentável, isso é visto como um extra agradável, mas não se quer pagar um preço adicional por isso.

Faltam informações sobre as consequências sociais e ecológicas do turismo?
Quem faz um cruzeiro marítimo geralmente conhece o terrível balanço ecológico, mas o ignora. Que a sustentabilidade não desempenhe nenhum grande papel nas viagens, isso está ligado também à atmosfera especial de férias: disciplinar-se é exatamente o que não se deseja nesse período. É preciso começar devagar com as transformações, aumentando pouco a pouco – algum dia, elas passam a ser hábitos.

Como os turistas podem descobrir, se seu agente de viagens trabalha com “fair play”?
Há selos de qualidade, por exemplo de TourCert. São exigidos, por exemplo, um consumo moderado de papel no escritório dos organizadores, viagens de ida e volta de pouca sobrecarga para o clima e salários justos para os funcionários de hotel. Na decisão a favor ou contra um destino de férias, também é importante o aspecto dos direitos humanos. Deveríamos tranquilamente buscar informações em relatório da Anistia Internacional.

Como foram as suas últimas férias?
Uma viagem clássica de férias – duas semanas em Maiorca e retorno – já não fazia há muito tempo. Eu geralmente ligo as viagens com pesquisas e viajo assim por mais tempo. Minha última viagem me levou à América Central, onde vivi durante muitos anos. Visitar amigos, conhecer coisas novas, trabalhar em projetos profissionais – essa combinação é ideal para mim.