A Ucrânia deve ser país candidato à adesão à UE

O chanceler federal alemão Scholz e o presidente francês Macron concordaram em apoiar firmemente a Ucrânia a se tornar candidata à adesão à UE.

Ukraine soll EU-Beitrittskandidat werden
picture alliance/dpa

Kiev (dpa) – O chanceler Olaf Scholz (SPD) e o presidente francês Emmanuel Macron concordaram, pela primeira vez, em apoiar concretamente a candidatura da Ucrânia à União Europeia. Scholz disse na quinta-feira, durante a tão esperada visita a Kiev, capital da Ucrânia: “Meus colegas e eu chegamos hoje em Kiev com uma mensagem bem clara: A Ucrânia pertence à família europeia”, acrescentando: “A Alemanha aprova uma decisão positiva a favor da Ucrânia, o que também tem validade para a República da Moldávia”.

Scholz declarou que o status de candidata à UE seria um marco histórico para que a Ucrânia possa trilhar o “difícil e longo caminho europeu”. Na reunião de cúpula da UE, de 23 a 24 de junho, ele apoiaria firmemente uma atitude unânime, pois a decisão depende necessariamente da unanimidade de votos. Macron disse: “Apoiaremos impreterivelmente o status de candidata da Ucrânia à União Europeia”. Nesse 113º dia da guerra, Zelensky acolheu calorosamente as declarações dos seus convidados: “O status de candidata à adesão à UE poderia ser uma decisão histórica para a Europa”. Em 24 de fevereiro, pouco depois do ataque russo, a Ucrânia tinha feito o pedido de adesão. Espera-se que a Comissão da UE em Bruxelas faça a proposta de dar à Ucrânia uma clara perspectiva de adesão. As negociações de admissão são complexas e duram normalmente muitos anos.

Fonte: dpa, tradução: deutschland.de