Apelo em prol da distensão

Os chefes de governo de Berlim, Paris e Londres divulgaram uma declaração conjunta sobre a crise do Irã.

Appell für Deeskalation
dpa

Berlim (dpa) – Em face da escalada na crise entre o Irã e os EUA, a Alemanha, a Grã-Bretanha e a França conclamaram todas as partes envolvidas a uma «reserva extrema». «Trata-se agora decididamente de lograr uma distensão», afirma a declaração conjunta da chanceler federal alemã Angela Merkel, do presidente francês Emmanuel Macron e do primeiro-ministro britânico Boris Johnson, que foi divulgada pelo Departamento Federal de Imprensa em Berlim, na noite do domingo (5 de janeiro). «Nós apelamos a todos os atores envolvidos, a exercerem uma reserva extrema e a terem consciência da sua responsabilidade. É preciso encerrar a espiral da violência no Iraque».

A Alemanha, a França e a Grã-Bretanha manifestaram-se, ao mesmo tempo, pela continuação da luta contra a milícia terrorista do chamado Estado Islâmico. Isso continua tendo alta prioridade. «Nesse contexto, a preservação da coalizão possui um valor elevado. Por isso, nós conclamamos as autoridades iraquianas a que continuem prestando o apoio necessário à coalizão». O Parlamento iraquiano havia conclamado anteriormente o governo de Bagdá a entabular a retirada do país de todas as tropas estrangeiras, que são parte da aliança de combate ao Estado Islâmico, liderada pelos EUA.

O Irã foi conclamado a renunciar à promoção ou apoio de novas ações violentas e a cancelar todas as medidas que não sejam conformes com o acordo nuclear, afirma a declaração. Os três países reforçaram também o seu apoio à soberania e à segurança do Iraque. Uma nova crise iria pôr em jogo os esforços de muitos anos pela estabilização do país. «Nós daremos prosseguimento ao nosso engajamento junto a todas as partes envolvidas, a fim de reduzir as tensões na região e de garantir a sua estabilidade».

Fonte: dpa; tradução: deutschland.de