Sanções da UE contra generais de Myanmar

A União Europeia impôs sanções aos altos funcionários das Forças Armadas após o golpe militar em Myanmar. 

EU sanktioniert Top-Generäle von Myanmar
dpa

Bruxelas (dpa) – A UE impôs sanções aos altos representantes das Forças Armadas após o golpe militar em Myanmar. Os envolvidos são acusados de responsabilidade pela morte de manifestantes desarmados e pela restrição da liberdade de reunião e de expressão. São acusados também de facilitar prisões e detenções arbitrárias.

Além de dez militares, o presidente da Comissão Eleitoral da União, Thein Soem, também foi sancionado. Ele é acusado de envolvimento para minar a democracia e o Estado de direito em seu país, por não reconhecer os resultados eleitorais. Entre os militares afetados pelas medidas punitivas estão o comandante em chefe das Forças Armadas, Min Aung Hlaing, e o general Mya Tun Oo, nomeado ministro da Defesa em 1º de fevereiro último.

Em Myanmar, país do sudeste asiático, os militares tomaram o poder da chefe de governo Aung San Suu Kyi no início de fevereiro. Durante os protestos contra os generais e sua junta, inúmeras pessoas foram mortas, também no último fim de semana. Cerca de sete semanas após o golpe, o número de mortos subiu para pelo menos 250, e quase 2.700 pessoas foram presas, conforme divulgou no Twitter a organização AAPP, que apoia os presos políticos. O número real, entretanto, é provavelmente muito maior.

«O que vemos ali em termos de excessos de violência é absolutamente inaceitável», comentou em Bruxelas o ministro alemão das Relações Externas, Heiko Maas (SPD). O número de assassinatos «atingiu um nível insuportável».

As sanções da UE prescrevem que os bens dos sancionados serão congelados e nenhum dinheiro ou recurso econômico poderá ser colocado à sua disposição. Eles também serão proibidos de entrar na União Europeia. «Não queremos punir o povo de Myanmar com sanções, mas sim aqueles que ali violam de forma flagrante os direitos humanos», disse Maas.

Fonte: dpa; tradução: deutschland.de