Scholz: A mobilização parcial na Rússia é um “ato de desespero”

O chanceler e também a ministra alemã das Relações Externas Baerbock condenam a decisão do presidente russo Putin. 

Scholz: Teilmobilmachung in Russland ist „Akt der Verzweiflung“
picture alliance/dpa

Berlim (dpa) – O chanceler alemão Olaf Scholz classificou a ordem de mobilização parcial na Rússia como um “ato de desespero”. “A Rússia não pode vencer esta guerra criminosa”, disse Scholz em Nova York na quarta-feira, à margem da Assembleia Geral da ONU. Desde o início, o presidente russo Vladimir Putin “subestimou completamente” a situação. Isto se aplica tanto à vontade dos ucranianos de resistir, quanto à coesão dos amigos da Ucrânia.

A ministra alemã das Relações Externas Annalena Baerbock acusou Putin de um ataque brutal contra as Nações Unidas e a paz mundial. Putin não está travando sua guerra apenas com tanques, energia e comida, disse Baerbock em Nova York. “Agora o presidente russo também está travando sua guerra com o método do medo”. Entretanto, o governo alemão “não se deixa guiar pelo medo, mas somos sim guiados pela responsabilidade” – pela ordem de paz na Europa e pelo povo da Ucrânia.

Num discurso por televisão, o presidente russo ordenou uma mobilização parcial das Forças Armadas de seu país. Nos últimos dias, o exército ucraniano repeliu fortemente, em alguns casos, as tropas russas na Ucrânia.

Especialmente na semana da Assembleia Geral da ONU, Putin pisoteou a Carta da ONU, criticou Baerbock. Com seu anúncio, o presidente russo não atacou apenas a Ucrânia, mas também a paz mundial. A ministra enfatizou: “É por isso que continuaremos nosso apoio ao povo da Ucrânia e trabalharemos juntos com a comunidade internacional para assegurar que vidas humanas sejam salvas na Ucrânia”.

Fonte: dpa; Tradução: deutschland.de