“Sinal de solidariedade”

Os 27 países da UE adotaram uma postura conjunta em relação à crise de Hong Kong. 

Hongkong-Krise

Bruxelas (dpa) – Os países da UE reagiram conjuntamente à controversa ação da China em Hong Kong. Um pacote de medidas publicado na terça-feira prevê, entre outras coisas, mais restrições às exportações que podem ser usadas para reprimir os protestos ou monitorar as comunicações. Além disso, nenhuma nova negociação com Hong Kong deve ser iniciada por enquanto. “Esperamos que a China cumpra suas obrigações relacionadas com o direito internacional”, disse o ministro alemão de Relações Externas Heiko Maas.

Ao mesmo tempo, os países da UE querem examinar possibilidades adicionais para apoiar a sociedade civil na megalópole. Poderia haver, por exemplo, mais bolsas de estudo para estudantes ou uma proteção mais fácil da UE para ativistas que se sentem perseguidos politicamente.

Maas enfatizou: “Se quisermos afirmar nossos valores e princípios ao lidar com potências como a China, nós europeus devemos falar com uma só voz”. Ele disse que as medidas são um “sinal de solidariedade”.

Fonte: dpa; tradução: deutschland.de