Trabalhamos de outra forma!

A pandemia acelerou maciçamente a transformação no mundo do trabalho.  Onde leva o caminho? Como será o  trabalho do futuro?  

Já é uma opção: o “trabalho remoto” de qualquer lugar
Já é uma opção: o “trabalho remoto” de qualquer lugar Hagen Ulbrich

A quarta revolução industrial está em pleno andamento. O trabalho em rede e a digitalização estão mudando nosso mundo de trabalho como nunca antes. Profissões antigas estão desaparecendo, novas estão surgindo. As empresas estão racionalizando suas estruturas, a fim de sobreviver na competição global. E os próprios trabalhadores estão cada vez mais se perguntando: Como eu quero trabalhar? E que significado tem o trabalho na minha vida? A pandemia tem se mostrado um motor deste desenvolvimento. O que antes era reservado a uma minoria privilegiada, é agora quase um padrão. “Home office”, “trabalho remoto”, “trabalho compartilhado” e “cotrabalho” são termos chave no novo mundo do trabalho. Não se deve esquecer o “objetivo”, ou seja, o significado maior do trabalho. O Instituto Fraunhofer de Engenharia Industrial (IAO) fala de uma “experiência em larga escala, de âmbito nacional, na digitalização do trabalho e da cooperação”. 

Em franca ascensão: lugares de cotrabalho, como aqui em Frankfurt
Em franca ascensão: lugares de cotrabalho, como aqui em Frankfurt Jonas Ratermann

Influência sobre a mobilidade e a urbanização 

O desenvolvimento também tem influência em outras megatendências, como a urbanização e a mobilidade. Stefan Rief, chefe da área de pesquisa de Desenvolvimento Organizacional e Projeto de Trabalho do Fraunhofer IAO prevê: “Mais e mais pessoas ficarão longe da empresa por períodos mais longos. O deslocamento para lá se tornará uma decisão consciente. E viver e trabalhar no campo pode se tornar novamente uma opção atraente para muitos”. Embora não para todos, como observa Katharina Rath, membro do Conselho de Administração de Recursos Humanos da empresa de logística DB Schenker. “Um terço do nosso pessoal trabalha em armazéns e terminais. Para eles, o escritório em casa não é uma opção”. Neste caso, diz ela, a flexibilidade tem que ser repensada – por exemplo, na forma de trabalho em equipe com hierarquias planas e um alto grau de autodeterminação.

Não há só uma resposta para a mudança no mundo do trabalho, mas toda uma gama de soluções que temos de coordenar e implementar.

Não apenas o local e o momento do trabalho estão mudando, mas também o modo de colaboração com os colegas. “Para cada vez mais pessoas, a participação, a autonomia e a geração de sentido estão se tornando um tema”, diz ela. “Isto aumentou extremamente, especialmente nos últimos dois anos”, diz a professora Jutta Rump do Instituto de Ocupação e Empregabilidade (IBE). E isso não significa apenas a criação de modernas “startups” em Berlim, afirma ela; também as empresas médias alemãs, longe das grandes metrópoles, incorporaram esses novos valores. “Todas as nossas empresas de médio porte das províncias, líderes do mercado mundial em seus setores, são tão bem-sucedidas precisamente porque conseguem criar um espírito de equipe, formador de identidade, entre seus funcionários. Em outras palavras: esta é a minha empresa e estamos entre as mais inovadoras do mundo”. 

A nova tendência: combinar vida e trabalho
A nova tendência: combinar vida e trabalho CoWorkLand eG

Desafio para as empresas

Isto é altamente relevante para a Alemanha com seu forte empresariado médio e muitos “campeões ocultos”, uma vez que as empresas médias são consideradas os mais importantes motores de inovação e tecnologia. Mais de 99 % das empresas na Alemanha são de porte médio. Elas contribuem com 61 % do valor líquido total agregado, proporcionam 55 % dos empregos e empregam 80 % dos aprendizes. Mas muitas empresas compartilham uma preocupação: elas não conseguem mais encontrar suficientes trabalhadores qualificados. Por um lado, as exigências profissionais estão aumentando e, por outro lado, o número de pessoas empregadas continua a diminuir, devido às mudanças demográficas. As profissões dos ofícios manuais, as indústrias metalúrgica e elétrica, e o setor técnico de ciências naturais são particularmente afetados. 

O governo alemão reconheceu isto e está tomando as medidas cabíveis. No âmbito de uma estratégia para assegurar mão de obra qualificada, as mulheres e os idosos devem ser integrados mais fortemente no mercado de trabalho. Além disso, será promovida e facilitada a imigração de trabalhadores qualificados do exterior – com uma lei aprovada em 2020 para este fim. Além disso, as empresas serão incentivadas a utilizar as vantagens da força de trabalho diversificada: pessoas de diferentes gêneros, idades e origens, bem como pessoas com deficiências, oferecem um acréscimo de conhecimentos e perspectivas; as empresas se beneficiam disso. 

Quem trabalhará em que profissões no futuro dependerá também, naturalmente, dos desenvolvimentos tecnológicos. “No centro disto está a questão de como humanos e máquinas irão trabalhar juntos no futuro”, explica Ana Dujić, chefe de departamento do Denkfabrik Digitale Arbeitsgesellschaft, um “think tank” do Ministério Federal do Trabalho e Assuntos Sociais (BMAS). “Para cada setor, precisamos considerar que partes do quadro profissional serão substituídas por máquinas, onde as habilidades humanas serão reforçadas por máquinas e que habilidades humanas permanecerão inigualáveis”. 

© www.deutschland.de

You would like to receive regular information about Germany? Subscribe here: