Energias alternativas para a Amazônia

Um projeto entre o Brasil e a Alemanha, descentralizado e ecologicamente correto, busca um caminho bem especial de produção de energia.

Na Amazônia, geralmente há apenas dois meios de transporte: barco ou avião.
Na Amazônia, geralmente há apenas dois meios de transporte: barco ou avião. dpa

Jair Bolsonaro reagiu de forma clara. Quando a ministra alemã do Meio Ambiente, Svenja Schulze (SPD), ameaçou acabar com milhões de subsídios para a proteção da floresta tropical por causa do forte aumento do desmatamento na região amazônica, o presidente do Brasil disse não precisar do dinheiro e aconselhou a chanceler federal Angela Merkel que seria melhor usá-lo para reflorestar a Alemanha. Desta forma, as relações entre Brasil e Alemanha não foram as melhores no verão europeu. Mas também há muitos exemplos positivos de cooperação entre Brasil e Alemanha no campo da proteção do clima. O projeto ProQR para o desenvolvimento de um combustível sintético para aeronaves não danoso ao meio ambiente, cuja base energética é a eletricidade renovável, é um desses exemplos.

Desde agosto de 2017, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC)  do Brasil e o Ministério Federal do Meio Ambiente, Proteção da Natureza e Segurança de Reatores (BMU), que encarregou a Sociedade de Cooperação Internacional (GIZ), trabalham nisso juntos. A mudança de governo no Brasil no início de 2019 não mudou nada nesse sentido. "A partir desse pequeno grupo, surgirão novas parcerias com instituições de ciência e tecnologia, empresas e poder público", diz Eduardo Soriano, engenheiro e chefe do Departamento de Tecnologias Industriais do MCTIC, que, do lado brasileiro, cita a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), entre outros.

Brasil, a terra da energia renovável: usina hidrelétrica no Parque Nacional de Juruena.
Brasil, a terra da energia renovável: usina hidrelétrica no Parque Nacional de Juruena.
dpa

Todas as etapas do projeto seriam tomadas em conjunto. Após um ano e meio, em que se examinou se as ideias poderiam ser implementadas, o projeto encontra-se atualmente na sua segunda fase - duas instalações de produção de combustível deverão estar concluídas até o final de 2019. Em 2020, poderão ser feitos testes com aeronaves. Pelo lado alemão, além da GIZ, também está envolvido no projeto o Centro Aeroespacial Alemão (DLR). De acordo com Soriano, o governo alemão está apoiando o projeto com cinco milhões de euros, em troca dos quais o governo brasileiro "certamente investirá uma quantia muito maior". O Brasil é um país parceiro ideal, diz Torsten Schwab, Diretor de Energias Renováveis e Eficiência Energética e Gerente de Projetos ProQR da GIZ em Brasília. "Não vejo nenhuma atitude negativa."

A demanda por combustíveis no setor dos transportes no Brasil aumenta constantemente e novas ligações a zonas remotas, como a Amazônia, surgem no setor dos transportes aéreos. O país dispõe também de um grande potencial para a aviação que não danifique o clima. Já hoje, o Brasil é um dos países mais importantes no campo das energias renováveis. Grande parte, mais de 50%, da eletricidade do Brasil é gerada a partir de energia hidrelétrica, 10% de biomassa, e pouco mais de 1%, de energia solar. Por outro lado, o país é tão diverso que, além de sociedades arcaicas, por exemplo na região amazônica, tem em outras partes grandes concentrações de indústrias de alta tecnologia, como nos ramos de aeronáutica ou petrolífera. A Embraer, com sede no estado de São Paulo, é a quarta maior fabricante de aeronaves do mundo, atrás de Boeing, Airbus e Bombardier.

Um jato da fabricante brasileira de aeronaves Embraer aterrissa em Stuttgart. Justamente aviões deverão ser beneficiados pelo projeto.
Um jato da fabricante brasileira de aeronaves Embraer aterrissa em Stuttgart. Justamente aviões deverão ser beneficiados pelo projeto.
dpa

A indústria da aviação internacional - incluindo a Embraer, que tem entre suas metas estratégias para o desenvolvimento sustentável - está comprometida com o crescimento que não danifique o clima. Como muitos outros países, a Alemanha, a Holanda, a Suécia, a Finlândia e o Brasil estão trabalhando para desenvolver novos processos para a produção de combustíveis. "Toda a indústria está à procura de alternativas", diz Soriano. "Há uma corrida mundial para tornar a produção destes combustíveis rentável. São utilizados diferentes métodos técnicos e diferentes matérias-primas, muitas vezes da biomassa. Schwab observa, contudo, que a matéria-prima não está disponível em quantidade constante e suficiente. "A grande vantagem do conceito da ProQR é a sua independência da matéria-prima. O projeto ProQR visa criar um caso de referência internacional para a utilização de combustíveis alternativos para a aviação neutros do ponto de vista climático.

Um novo modelo de produção leva a que, através do uso de eletricidade renovável, CO2 e água, e com instalações descentralizadas, os combustíveis também podem ser produzidos em nível local. Perto de um rio, pode ser usada a energia hidrelétrica; em condições eólicas favoráveis, a energia do vento; a energia solar, em geral, em todo o Brasil. Os processos de produção ocorrem em contêineres marítimos. Todos são baseados no conceito Power-to-Gas, Power-to-Liquids ou Power-to-Fuels, no qual os excedentes temporários na produção de eletricidade (Power) são usados para produzir gás, combustível ou outras fontes de energia. "Graças à abordagem descentralizada, o projeto tem um caráter muito pioneiro", diz Schwab. "Esse é o nosso argumento único de venda. Schwab acredita que o projeto ProQR terá um impacto global. O protótipo será desenvolvido de forma a poder funcionar em qualquer parte do mundo, mesmo sob condições extremas, como na Amazônia, e o produto final será então distribuído de forma correspondente.

You would like to receive regular information about Germany? Subscribe here: