O Fórum Humboldt

Uma entrevista sucinta com Hermann Parzinger, presidente da Fundação do Patrimônio Cultural Prussiano e um dos superintendentes fundadores do Fórum, sobre o que os visitantes da nova instituição cultural podem esperar a partir de 2019.

dpa/Daniel Kalker - Berlin Humboldt-Forum

Há um ano, em maio de 2015, o Fórum Humboldt celebrou sua festa da cumeeira. Há uma grande demanda por visitas guiadas através da construção, existe obviamente uma curiosidade sobre o que virá. Que mensagem será transmitida pelo Fórum?

Com a nova e enorme conformação do prédio do Palácio no centro de Berlim ganha naturalmente uma importância cada vez maior a pergunta sobre o seu aproveitamento como Fórum Humboldt. Desde o início de 2016, a superintendência da fundação trabalha os planos para todo o edifício e no próximo outono setentrional poderão ser ouvidas as primeiras considerações concretas. Mas já é claro que se tratará dos entrelaçamentos das culturas do mundo, do passado até a atualidade. O Fórum Humboldt tem de oferecer conhecimento para orientação das pessoas, exatamente porque o mundo se transforma de maneira cada vez mais rápida.

 

O Fórum Humboldt mostra exposições sobre culturas não europeias. Até que ponto elas são mais que a soma de diversas coleções?

No Fórum Humboldt serão apresentados os acervos do Museu Etnológico e do Museu de Arte Asiática, mas eles devem ser vistos em estreita harmonia com a Ilha dos Museus. Lá, nós mostramos os tesouros artísticos e culturais da Europa e do Oriente Médio, no Fórum Humboldt esta visão geral é ampliada com as culturas da África, Ásia, Austrália, Oceania e América. Com isto, a Ilha dos Museus e o Fórum Humboldt, que nós consideramos um todo, transformam-se num lugar em que se pode observar e compreender todo o mundo. As exposições alternantes no Fórum Humboldt irão lançar mão, além do mais, do acervo aparentemente interminável de todas as instituições da Fundação do Patrimônio Cultural Prussiano e poderão tornar muitos fenômenos compreensíveis na sua totalidade.

 

Ao lado de Horst Bredekamp e Neil MacGregor, o senhor é um dos três superintendentes fundadores do Fórum. Como funciona a cooperação?

A cooperação funciona sem problemas, e ela é muito intensa. Nós três nos complementamos muito bem, pois nos conhecemos bem e há muito tempo e, por outro lado, trazemos a este projeto distintos cabedais de experiência pessoal. No Fórum Humboldt, trata-se de reunir instituições muito diversas como museus, bibliotecas, universidade e museu municipal, ligando-as como uma unidade. Este trabalho deve ser concebido como um processo interminável. Com isto, é praticamente lógico que a responsabilidade seja dividida entre diversas pessoas nesta fase de criação.

www.humboldt-forum.de

© www.deutschland.de