“Temos de nos tornar mais políticos”

Os europeus deveriam falar mais sobre o que eles querem na Europa e com a Europa, é a convicção do jornalista Hasnain Kazim.

dpa/Karlheinz Schindler - Hasnain Kazim

“Para mim, a Europa é pátria, apesar de suas diferenças culturais. A Europa é muito diversa, mas tem uma base: a democracia livre e liberal. O mais importante na Europa é que aqui se pode viver em paz e expressar livremente sua opinião. Muitas vezes, as pessoas se esquecem disto. A minha geração ainda conhece a Guerra Fria. Temos de nos lembrar, de vez em quando, de que a guerra era a situação normal deste continente no séculos passados.  

Um lugar europeu? Não conheço quase nenhuma cidade que seja tão europeia como Viena, a capital da Áustria. Aqui em Viena se vive a Europa, fora das instituições da UE. Nas ruas, ouve-se falar húngaro, tcheco, esloveno, pois as influências da Europa Oriental são tão grandes como as da Europa Ocidental. E as pessoas gostam mais de experimentar. Viena abraça o futuro. Para mim, ainda continua sendo inacreditável subir em um trem nesta cidade e, após menos de uma hora, descer em Bratislava. Tal liberdade de movimento não foi óbvia por muito tempo.

Há o perigo de que isto não fique mais assim no futuro. Estamos vendo que os populistas estão se tornando fortes em toda a Europa. Temos de trabalhar continuamente por uma Europa livre e democrática. Espero que a Europa continue assim, como a conhecemos: uma grande unidade de democracias. Mas temo que possa haver um retrocesso a um espírito de Estado nacional, com fronteiras e barreiras. Depois das eleições nos EUA, a Europa é o último baluarte de democracia liberal. Temos que lutar por isso, mas as redes sociais não são adequadas para tanto, pois é nelas que os inimigos do livre pensamento e da democracia são realmente ouvidos, pois são os que gritam mais. O que podemos fazer é falar mais sobre o queremos na Europa e com a Europa. Temos de levar as pessoas a se tornar mais políticas e a não recair no privado – e isto, já na escola”.

Hasnain Kazim nasceu em 1974 em Oldenburg, sendo filho de imigrantes da Índia e do Paquistão. Estudou Ciências Políticas em Hamburgo e foi oficial da Marinha. Suas estações jornalísticas são: “Stader Tageblatt”, dpa (escritório do sul asiático) e “Heilbronner Stimme”. Ele foi correspondente da “Spiegel Online” e da revista “Der Spiegel” no Paquistão e na Turquia. Kazim vive em Viena desde março de 2016.

Protocolo: Anja-Maria Meister