Cidade e campo: um histórico do relacionamento

As metrópoles explodem e os povoados extinguem-se? Não é assim tão simples. Estes são os fatos e tendências da cidade e do campo na Alemanha.

Frankfurter Skyline
PantherMedia/sepavone

Onde termina a cidade e onde começa o campo? Na Alemanha, densamente povoada com 230 pessoas por quilômetro quadrado, isso não pode ser claramente delimitado. 77 % das pessoas vivem em cidades ou aglomerações urbanas e apenas 15 % em povoados com menos de 5.000 habitantes.

 “Nós vivemos numa sociedade urbanizada. Isso vale também para a zona rural”, afirma a professora de Geografia Urbana da Universidade de Heidelberg, Ulrike Gerhard. “A cidade e a periferia estão estreitamente ligadas”. Os hábitos de vida quase não se diferenciam, o trânsito diário entre trabalho e casa flui nos dois sentidos.

Quick facts
77
por cento

dos alemães vivem nas cidades ou em conglomerados urbanos.

15
por cento

dos alemães vivem em povoados com menos de 5.000 habitantes.

79
cidades grandes

existem na Alemanha. Essas são as cidades com mais de 100.000 habitantes.

4
megalópoles alemãs

são Berlim (3,5 milhões de habitantes), Hamburgo (1,7), Munique (1,4) e Colônia (1,05).

9
habitantes

é a população do menor povoado da Alemanha, na ilha Hallig Gröde.

44
por cento

dos alemães prefeririam viver na zona rural.

Êxodo rural e urbanização

A defasagem entre metrópole e província na Alemanha não é tão extrema como em outros países, em virtude da estrutura federalista com 16 capitais estaduais. Apesar disso, há um desequilíbrio entre a cidade e o campo. Enquanto prosperam os povoados na periferia das grandes cidades, regiões inteiras em outras partes sofrem enormemente com o êxodo rural, principalmente no Leste do país. De acordo com os prognósticos, certas regiões em Brandemburgo podem perder quase um terço da população até 2035.

Lá faltam empregos, negócios, firmas de ofícios manuais, consultórios médicos e agências bancárias. Escolas e restaurantes são fechados. Para a população restante, a qualidade de vida torna-se pior, as distâncias a serem percorridas no dia a dia tornam-se cada vez maiores. Já que são principalmente os jovens com boa formação profissional e mobilidade que abandonam a província, os especialistas advertem para uma evasão de cérebros.

Condições igualitárias de vida

O governo quer agora tomar medidas contrárias. O acordo de coalizão entre CDU/CSU e SPD afirma: “Nossa meta são condições igualitárias de vida nas áreas urbanas e rurais, no Leste e no Oeste”. As pequenas comunidades deverão obter novamente mais possibilidades de administração própria, a ampliação da internet deve ser levada em frente, a economia local deve crescer. Em certos povoados, a população assume a questão em iniciativa própria e desenvolve conceitos criativos para uma vida atraente e ativa no campo.

As cidades mais apreciadas da Alemanha

A capital estadual bávara Munique é tida como a melhor cidade da Alemanha para se viver. Ao lado das metrópoles, são sobretudo as cidades de médio porte que atraem novos moradores. Atualmente as cidades prediletas são Fürth, Bamberg e Passau no Sul, bem como Chemnitz, Magdeburg, Schwerin e Erfurt no Leste da Alemanha. Elas atraem com instituições de ensino, empregos modernos, ofertas culturais e de lazer e aluguéis relativamente baixos.

Apesar de que a maioria dos alemães vive nas cidades, 44 % da população sonha com a vida no campo. Esse foi o resultado de uma enquete representativa feita para o “Amplo estudo da Alemanha”, da emissora de televisão ZDF.

Estudos e “links” sobre cidade e campo na Alemanha:

Estudo da Fundação Bertelsmann: Cidades pequenas e médias estão na moda

Mapa interativo: Desenvolvimento demográfico na Alemanha

Portal demográfico da União e dos Estados

"Die Zeit": Cidade, campo, preconceito

ZDF: Amplo estudo da Alemanha

Estudo Mercer: Qualidade de vida nas cidades – "Ranking" de 2018

© www.deutschland.de