Tendências de 2022

Estes temas vão dar o que falar na Alemanha em 2022.

O coletivo de artistas Ruangrupa será curador da Documenta
O coletivo de artistas Ruangrupa será curador da Documenta Gudskul / Jin Panji

O fim do «eu, artista»

Em 2022, um grupo de artistas assume pela primeira vez a função de curador da exposição mundial de arte Documenta em Kassel. O coletivo de artistas indonésios Ruangrupa também traz com eles um novo conceito: «lumbung». Isto significa «celeiro de arroz» e refere-se a um edifício utilizado coletivamente nas áreas rurais da Indonésia, no qual a colheita de uma comunidade é reunida como um recurso comum para o futuro, armazenada e distribuída de acordo com critérios determinados conjuntamente. A Documenta também deve funcionar de acordo com este princípio. Em outras palavras, longe do consumo passivo das obras individuais e em direção à criação ativa e participativa. Numerosas organizações artísticas internacionais de base comunitária foram convidadas. Isto significa que o tempo de grandes obras e artistas individuais acabou? O renomado Prêmio Turner também foi concedido a um coletivo em 2021.

A liberação da maconha

O novo governo alemão do SPD, Verdes e FDP quer permitir o consumo controlado de maconha a adultos. Isso é o que diz o acordo da coalizão. Com isso, a Alemanha está em sintonia com a tendência da época. A legalização está sendo discutida ou já está sendo implementada em todo o mundo. O Uruguai foi o primeiro país a legalizar a maconha, seguido pelo Canadá e 18 Estados nos EUA. Malta foi o primeiro país da UE a aprovar o uso da maconha. A Espanha e a Holanda também o permitem sob certas condições. Na Alemanha, a venda deve ocorrer em lojas licenciadas; estão sendo cogitadas as farmácias. Até lá, no entanto, levará algum tempo. Normalmente leva meio ano para que uma lei entre em vigor. E algumas perguntas permanecem: algo que é prejudicial à saúde deve ser legalizado?

O armazenamento de CO2

Pesquisadores de todo o mundo estão trabalhando em processos para armazenar permanentemente dióxido de carbono no subsolo. Captura e armazenamento de carbono (CCS) é o termo técnico utilizado para atingir as metas climáticas. A Noruega é um motor deste desenvolvimento e quer armazenar muitos milhões de toneladas de CO2 em formações de arenito submarino onde antes havia depósitos de petróleo e gás. Até 2050, a empresa HeidelbergCement, que faz parte do índice Dax na bolsa de valores alemã, quer fornecer concreto inócuo ao clima e, para isso, já está equipando suas fábricas de cimento na Noruega e na Suécia com instalações de CCS. Na Alemanha, entretanto, o processo é controverso. Porque ninguém pode garantir ainda o armazenamento final seguro de CO2 por muitos séculos.

© www.deutschland.de

You would like to receive regular information about Germany? Subscribe here: