Integração no mercado de trabalho

Segundo um estudo atual, cerca da metade dos refugiados que vieram para a Alemanha possui entretanto um emprego.

Integration in den Arbeitsmarkt
dpa

Nuremberg (dpa) – Cinco anos após a sua chegada, quase metade dos refugiados que vieram para a Alemanha desde 2013 possui um trabalho regular. Esse é o resultado de um estudo do Instituto de Pesquisa do Mercado de Trabalho e das Profissões (IAB) em Nuremberg, que foi divulgado na terça-feira. «A integração no mercado de trabalho ocorre assim mais rapidamente do que entre os refugiados de anos anteriores», escreveram os autores do estudo, Herbert Brücker, Yuliya Kosyakova e Eric Schuss.

Mais de dois terços dos refugiados que possuem um emprego, trabalham em tempo integral. Há, contudo, uma grande diferença entre homens e mulheres: apenas 29 % das mulheres possuem um emprego após cinco anos na Alemanha; entre os homens, a cota está em torno de 57 %. A maioria dos refugiados contratados possui, segundo o estudo, um emprego como mão de obra especializada. 44 % possuem emprego como ajudante. Entre os refugiados que vieram para a Alemanha na década de 1990, em consequência da guerra na Iugoslávia, era um pouco mais baixa a taxa de ocupação após cinco anos, em torno de 44 %.

Fonte: dpa; tradução: deutschland.de