Juntos contra a pandemia

O novo centro de pesquisa GLACIER interconecta os cientistas e as cientistas da Alemanha e da América Latina.

Um centro de vacinação no México
Um centro de vacinação no México picture-alliance/dpa

“Trata-se, para nós, de uma luta e uma prevenção sustentáveis e globais de epidemias com o enfoque "Saúde Única". Isto significa: prevenir novos riscos e promover a saúde global de maneira integral e interdisciplinar, enfocando a América Latina”, diz Barbara Seliger, diretora do Instituto de Imunologia Medicinal da Universitätsmedizin de Halle e membro da diretoria do projeto GLACIER (German-Latin American Centre of Infection & Epidemiology Research and Training). Esse centro de saúde alemão-latino-americano é uma nova e vasta associação de pesquisadores e pesquisadoras da Alemanha e da América-Latina.

Foi necessário um enorme esforço de coordenação para dar início a esse projeto, pois GLACIER é gerenciado na Alemanha pelo Instituto de Imunologia Medicinal da Universitätsmedizin de Halle (em Saale), pelo Instituto Leibniz de Bioquímica Vegetal (IPB) e pelo instituo de Virologia da Charité (Universitätsmedizin de Berlim). Além destas instituições há também parceiros internacionais, principalmente de Cuba e do México. “Temos excelentes colegas latino-americanos na nossa rede, como, por exemplo, Daniel Garcia Rivera, de Cuba, que participou no desenvolvimento de uma vacina contra a Covid”, diz Seliger. GLACIER é apoiado pelo Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD).

Instalar laboratórios modernos na Cidade do México e em Havana.

Barbara Seliger, GLACIER

“A estrutura de pesquisa da América Latina dever ser melhorada, sendo que se devem fabricar principalmente anti-infecciosos e novas vacinas contra doenças infecciosas e implantar o diagnóstico e o controle de pandemias. Por isso, visamos, por exemplo, a instalação de modernos laboratórios nas universidades da Cidade do México e de Havana”, diz Seliger, que é médica imunologista, especializada no monitoramento imunológico de doenças infecciosas e no desenvolvimento de imunoterapias. O injusto acesso a vacinas, o diagnóstico de doenças infecciosas e os aspectos regionais também fazem parte do espectro de temas desse centro de saúde, explica Seliger, dizendo: “O nosso objetivo é que todos os países do mundo tenham acesso a vacinas e isto a um preço razoável. E que sejam desenvolvidas vacinas que sejam fáceis de ser aplicadas e que não precisem ser armazenadas a uma temperatura de 150 gruas negativos, pois isto não é possível em todos os lugares”.

As pandemias sempre são caracterizadas pelas dimensões sociais e políticas.

Juliana Martínez Franzoni, Universidad de Costa Rica

Nos últimos meses, a América Latina vem sendo gravemente afetada pela pandemia, por causa de impasses no abastecimento sanitário, por causa de milhares de mortos e do surgimento de novas mutações do vírus. Para que os fatores sociais também sejam levados em consideração, o centro de saúde GLACIER conta com a participação de cientistas sociais tanto da Alemanha como da América Latina. Desta maneira, por exemplo, Juliana Martínez Franzoni vem realizando pesquisas na Universidad de Costa Rica, no campo dos aspectos sociais e políticos da pandemia: “As epidemias e as pandemias sempre são caracterizadas pelas dimensões sociais e políticas. A Covid-19 tornou isso bem claro”.

Exercer influência sobre as desigualdades estruturais

Um dos temas centrais de pesquisa de Martínez Franzoni é a desigualdade social. “Estamos muito longe de estarmos no mesmo bote. É claro que nos encontramos no mesmo mar, mas, no contexto de profundas desigualdades, somos testemunhas de que algumas pessoas estão em um iate nesta pandemia, outras em um bote e outras não têm nem mesmo um colete salva-vidas”. Fato é que se trata de um colapso de mercados de trabalho, do acesso à política social e de dimensões históricas. A questão que se coloca aqui é “se a pandemia gera a possibilidade de se corrigirem algumas desigualdades estruturais”. Esta catedrática pretende também examinar, dentro do contexto de GLACIER, o dinamismo político e a política de vacinação na América Central, em estreita sintonia com Bert Hoffmann, do Instituto GIGA de Hamburgo. 

Esse centro de saúde alemão-latino-americano visa considerar todos os aspectos que sejam necessários para o combate sustentável da pandemia e para a assistência médica. Por isso, as autoridades, como os departamentos de saúde, também deverão ser incluídas nessa luta, diz Barbara Seliger, explicando: “Isso também pode significar a criação de diretrizes para acompanhar rigorosamente as pandemias e, no melhor dos casos, para as evitar no futuro”. Além disso, trata-se também de oferecer um melhor treinamento aos jovens cientistas e aos cientistas já estabelecidos e de arquitetar um vínculo entre os programas de promoção da Alemanha e da América Latina. Trata-se “ao mesmo tempo, da promoção de programas que venham unir os jovens cientistas dos países latino-americanos entre si, e isto de maneira duradoura”. O banco de dados de GLACIER na rede será “acessível de igual forma a todos, para que haja cooperação, mas também para que sejam geradas novas ideias e que o intercâmbio seja promovido sustentavelmente.

© www.deutschland.de