“Não aprendemos nada”

Bauhaus é sinônimo de igualde de sexos. Algumas mulheres fizeram uma carreira excepcional, outros destinos foram dramáticos.

Mulheres da Bauhaus em ação. Uma foto de Katt Both
Mulheres da Bauhaus em ação. Uma foto de Katt Both Privatbesitz Nachlass Katt Both

“Não aprendemos nada. O que fizemos foi solidificar nosso caráter”, comenta a arquiteta Katt Both o seu tempo de estudo na Bauhaus de Dessau. Foram muitas estudantes – até mesmo um terço de todos os estudantes – que fizeram na Bauhaus cursos de Arte, Design e Arquitetura. Ao contrário de outras escolas superiores, na Bauhaus não eram exigidos diplomas de curso médio. E Walter Gropius, seu fundador, prometera a igualdade de tratamento de homens e mulheres. Mas nunca houve uma igualdade absoluta. Mesmo assim, algumas mulheres conseguiram se estabelecer na arquitetura e no design – na época essas disciplinas eram domínios dos homens –, fazendo uma carreira excepcional.

O bule de extrato de chá, de Marianne Brandt
O bule de extrato de chá, de Marianne Brandt dpa-Zentralbild

“A melhor e mais genial”

A artista e designer de metal Marianne Brandt, por exemplo, que quando ainda era estudante já projetara em 1924 bules de extrato de chá, feitos de latão e ébano – um dos ícones da Bauhaus –, assumiu em 1928 a direção da oficina metalúrgica. Juntamente com Hin Bredendieck, ela projetou objetos de iluminação para a produção em série e organizou a cooperação com firmas, trazendo proveitos para toda a Bauhaus. Para o professor László Moholy-Nagy, ela era a melhor e mais genial estudante. Claro que Walter Gropius a convidou em 1929 para trabalhar no projeto da Povoação de Dammerstock em Karlsruhe. 

Imortalizada em desenhos infantis

A austríaca Friedl Dicker-Brandeis, que seguiu Johannes Itten, mestre da Bauhaus, a Weimar, estudou no ramo de têxteis, da impressão e da encadernação. Em 1923, ela e Franz Singer foram diretores da “Oficina de Belas Artes”. Nessa cooperação de grande sucesso, destacou-se o talento de Dicker nos setores do design interior, da pintura, da arte gráfica e da arquitetura. Dicker e Singer projetaram mobiliários inovadores para apartamentos, usando móveis mutáveis e cheios de truques. Em 1942, Friedl Dicker-Brandeis foi deportada para Theresienstadt. Ainda existem mais de 5 000 desenhos que ela usava nas aulas de Desenho, para encorajar as crianças desse gueto. Friedl Dicker foi assassinada em 1944 em Auschwitz.

 Katt Both na Wassily Chair
Katt Both na Wassily Chair Privatbesitz Nachlass Katt Both

A primeira arquiteta

A estreita rede que unia a vanguarda na Bauhaus foi também aproveitada por Katt Both como entrada na vida profissional. Depois de ter estudado em Dessau, ela trabalhou no escritório de arquitetura dos irmãos Luckhardt, em Berlim, sendo finalmente, em março de 1929, contratada por Otto Haesler, de Celle. A primeira arquiteta! Ela participou de todos os grandes projetos arquitetônicos desse escritório.

A “nômade da arquitetura”

As biografias das mulheres da Bauhaus sofreram uma profunda cesura com o  nazismo e com a proibição da profissão. Depois de 1945, somente poucas delas puderam continuar a carreira que tinham começado na década de 1920. Uma destas foi a arquiteta e planejadora urbana Lotte Stam-Beese, que participou no planejamento de reconstrução de Roterdã.  Ela interrompera seu estudo na Bauhaus em 1929, começando a percorrer toda a Europa, como uma “nômade de arquitetura”,  em busca de um trabalho como projetista. Ela queria decidir sobre a sua própria vida e ser independente. E ambas as coisas sendo uma jovem mãe. Em 1932, ela acompanhou a brigada de arquitetos de Hannes Meyer e Ernst May a caminho da Ucrânia, ficando conhecendo lá o arquiteto holandês Mart Stam. Em 1940, os dois deixaram a URSS. Lotte Stam-Beese fez seu diploma de Arquitetura em Amsterdã com a idade de 41 anos, começando então a sua carreira na arquitetura urbana.

© www.deutschland.de

Newsletter #UpdateGermany: You would like to receive regular information about Germany? Subscribe here to: