Dar mais espaço à natureza

A ONU está combatendo a perda da biodiversidade – e tem o apoio do Fundo LLF, criado por iniciativa da Alemanha.

Gorila no Parque Nacional Odzala-Kokoua, apoiado pelo LLF.
Gorila no Parque Nacional Odzala-Kokoua, apoiado pelo LLF. picture alliance / Godong

A natureza está sendo perdida em velocidade vertiginosa: mais da metade de todos os ecossistemas já foi destruída, de acordo com o Conselho Mundial de Biodiversidade (IPBES). Todos os anos, cerca de dez milhões de hectares de floresta desaparecem - isso é mais do que a área de Portugal. 50% de todos os recifes de coral são perdidos, os mares poluídos e pescados em excesso. Uma inversão da tendência não está atualmente em vista. Pelo contrário: de acordo com o IPBES, um milhão de espécies estão ameaçadas de extinção nas próximas décadas.

O Parque Nacional Gonarezhou, no Zimbábue, também é apoiado pelo LLF.
O Parque Nacional Gonarezhou, no Zimbábue, também é apoiado pelo LLF. picture alliance / Anka Agency International

É por isso que a Organização das Nações Unidas (ONU) dedica a maior atenção à conservação da natureza na Agenda 2030 e em seus Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). A Alemanha apoia estes objetivos politicamente, mas também financeiramente. Por exemplo, o Legacy Landscapes Fund (LLF), que foi fundado por iniciativa da Alemanha, ajuda a financiar áreas protegidas em todo o mundo. Porque uma forma de deter a perda é através das reservas naturais, pois as populações podem se recuperar se lhes for dado o espaço e a tranquilidade para fazê-lo. É por isso que as Nações Unidas estão atualmente discutindo o objetivo de colocar 30% da superfície terrestre sob proteção. No momento, é cerca de 17% em terra e 8% no mar. A chamada meta 30X30 é um dos pontos mais importantes da próxima Cúpula das Nações Unidas sobre Biodiversidade, que será realizada em Montreal em dezembro. Ela é particularmente importante porque deve definir novas metas para a conservação da biodiversidade até 2030 numa “estrutura global de biodiversidade pós-2020”.

O governo alemão apoia o projeto, mas os debates na ONU ainda estão em andamento. É evidente, entretanto, que a conservação da natureza custa dinheiro e que existe uma lacuna de financiamento, que se tornará ainda maior se metas mais ambiciosas forem estabelecidas. Segundo estimativas, pelo menos 150 bilhões de dólares são necessários anualmente para a conservação da biodiversidade. 80 por cento de todas as espécies vivem em cerca de 20 por cento da massa terrestre, a maioria das quais está nos países em desenvolvimento. No entanto, muitas vezes falta o dinheiro necessário para administrar as áreas protegidas de forma eficaz e em harmonia com os interesses da população. É por isso que a última versão do “Global Biodiversity Framework” também afirma que devem ser desenvolvidas fontes de financiamento novas e inovadoras.

Thomas Langur (Thomas Leaf Monkey) no Parque Nacional Gunung Leuser na Indonésia – o LLF também ajuda aqui.
Thomas Langur (Thomas Leaf Monkey) no Parque Nacional Gunung Leuser na Indonésia – o LLF também ajuda aqui.
picture alliance / Zoonar

Uma dessas fontes é o Legacy Landscapes Fund (LLF), que o Banco de Desenvolvimento KfW, da Alemanha, criou em 2020 em nome do governo alemão. Também é vista como a contribuição concreta da Alemanha para os objetivos da Cúpula da Biodiversidade, em dezembro. A ideia por trás da LLF é que se ele conseguir conservar o maior número possível de espécies nas regiões do mundo ricas em biodiversidade, mas de baixa renda, então uma parte significativa da biodiversidade pode ser assegurada desta forma. Portanto, seu objetivo é apoiar pelo menos 30 áreas protegidas no mundo inteiro a longo prazo, com um milhão de dólares por ano. Isto não cobre todos os custos, mas a soma é suficiente para o financiamento básico, para que as operações possam ser mantidas.

O que há de especial no fundo é que ele não é apoiado apenas por doadores estatais como a Alemanha e a França, mas também por empresas e fundações. A Fundação Gordon e Betty Moore, a Fundação Rob & Melanie Walton, a Fundação Arcadia e a Fundação Wyss estão todas envolvidas. Desta forma, pelo menos um bilhão de dólares deve ser administrado pelo fundo até 2030. Atualmente, ele tem cerca de 250 milhões de dólares à sua disposição.

Um sapo endêmico no Parque Nacional Madidi, na Bolívia, apoiado pelo LLF.
Um sapo endêmico no Parque Nacional Madidi, na Bolívia, apoiado pelo LLF.
picture alliance / Marco Simoni/robertharding

A LLF já está apoiando sete áreas piloto na Ásia, África e América Latina, cobrindo mais de 60.000 quilômetros quadrados. Enquanto isso, foi realizado uma concorrência pública, de modo que outras sete áreas provavelmente serão acrescentadas até meados de 2023.

A abordagem inovadora do LLF é apresentada em várias ocasiões, inclusive na ONU. Por exemplo, a diretora executiva Stefanie Lang apresentará a ideia e a reivindicação da LLF na Conferência de Cúpula do Clima, em Xarmel Xeique em novembro e, é claro, na Conferência de Cúpula da Biodiversidade em Montreal. Stefanie Lang, chefe do LFF, descreve isso da seguinte maneira: “Sabemos que a conservação da natureza funciona. Ela protege espécies e ecossistemas e ajuda a estabilizar o clima. Mas somente com fundos suficientes, conceitos bem pensados e pessoas no lugar em questão. É exatamente para isso que o LLF contribui”.

© www.deutschland.de