“Preparados para tais questões”

A presidente do Conselho de Ética, Alena Buyx, sobre o debate da vacinação obrigatória, as críticas ao ritmo da vacinação e o papel da ética médica na pandemia.

Alena Buyx, presidente do Conselho Alemão de Ética.
Alena Buyx, presidente do Conselho Alemão de Ética. dpa/pa

Alena Buyx é presidente do Conselho Alemão de Ética. Juntamente com a Comissão Permanente de Vacinação (STIKO) e a Academia Nacional de Ciências Leopoldina, o órgão especializado elaborou em novembro de 2020 um parecer de posicionamento sobre a distribuição da vacina contra a Covid-19 na Alemanha. O documento foi a base das recomendações da STIKO, nas quais se baseia a priorização das vacinações agora em vigor.

Professora Buyx, como o Conselho de Ética definiu as prioridades?

Este foi um processo complexo. Juntos, analisamos os princípios constitucionais e éticos relevantes, ou seja, autodeterminação, prevenção de danos e benefícios, além, é claro, da justiça e igualdade geral de direitos, bem como da solidariedade e da urgência. Aplicamos estes princípios à questão concreta e os relacionamos com o conhecimento científico disponível. A partir disso, as prioridades básicas surgiram.

A STIKO fez então, por assim dizer, o “plano detalhado”?

Sim, porque naquela época ainda não estava claro, por exemplo, quais vacinas seriam aprovadas primeiro ou quais pessoas do sistema de saúde teriam o maior risco de infecção. A STIKO concretizou as recomendações com base nos resultados de pesquisas em constante aumento. Esta avaliação é contínua, e novos conhecimentos estão sendo constantemente incorporados.

No documento, o Conselho de Ética também se pronunciou contra a vacinação compulsória. No entanto, há discussões sobre se a vacinação deve ser um pré-requisito para a admissão em eventos, por exemplo, e se o pessoal de enfermagem deve ser obrigado a aceitar a vacinação. Como a senhora vê isto de uma perspectiva ética?

Em nosso trabalho, excluímos uma obrigação geral de vacinação por razões éticas. Com relação à vacinação obrigatória em áreas específicas, dizemos que isto só seria concebível sob determinadas condições. Primeiramente, deve haver mais conhecimento sobre se as pessoas vacinadas realmente não podem infectar mais ninguém. Em segundo lugar, tal obrigação só seria concebível em contextos específicos – por exemplo, onde pessoas muito vulneráveis não podem ser protegidas de nenhuma outra forma. No futuro, provavelmente precisaremos de um debate social sobre como lidar com as pessoas vacinadas.

Outra discussão está atualmente girando em torno da política de aquisição de vacinas da Alemanha e da UE e do progresso da campanha de vacinação na Alemanha. Como a senhora está vendo este debate?

Eu sou uma pessoa impaciente, as coisas vão muito devagar para mim também. Certamente faz sentido perguntar como as coisas correram e o que poderia ter sido feito melhor. No momento, porém, acho que é mais importante olhar para o futuro e analisar onde estão os obstáculos. Estava claro que não haveria vacina suficiente no início – agora a distribuição das doses disponíveis tem que ser otimizada. Há certamente espaço para melhorias no lado técnico, por exemplo no agendamento das consultas. Também é importante passar rapidamente para o próximo grupo no processo de priorização, mesmo se alguns dos que têm direito à vacinação no grupo anterior deixarem de tomar a vacina. Ainda há tropeços e precisamos de um pouco de compreensão: a situação é inteiramente singular e a curva do aprendizado é íngreme.

A senhora se diz impaciente: a senhora mesmo já foi vacinada?

Não, mas estou contando os dias e as semanas. O momento depende apenas de quando é minha vez. Sou médica e profissional de saúde, mas não trabalho diretamente com os pacientes.

 

Acho importante que a Alemanha mostre solidariedade e participe de iniciativas internacionais de vacinação como a COVAX.

Alena Buyx, presidente do Conselho Alemão de Ética

A igualdade na vacinação também é uma questão central em termos globais. O Conselho de Ética já abordou esta questão?

Esta não era nossa questão, mas a discutimos porque ela está presente para todos os especialistas em ética. Não podemos e não devemos ignorar o fato de que as pessoas em todo o mundo são afetadas por esta pandemia. É por isso que acho importante que a Alemanha mostre solidariedade e participe de iniciativas internacionais de vacinação como a COVAX e coopere com a Organização Mundial da Saúde. Pode ser feito mais aqui para garantir que a vacina chegue rapidamente às regiões mais pobres. Ao mesmo tempo, a Alemanha e a UE devem encontrar, num estágio inicial, um mecanismo para transmitir imediatamente qualquer vacina encomendada em excesso aos países em desenvolvimento.

A senhora e seus colegas são muito consultados sobre suas avaliações ético-médicas da pandemia – primeiro tratava-se da triagem, ou seja, priorizar pacientes para tratamento. Agora se trata da distribuição das vacinas. O coronavírus é um ponto crucial para a sua disciplina?

A observação é correta, mas eu não a chamaria de ponto crucial. Ao contrário de outras disciplinas, talvez já estivéssemos simplesmente “pensando nisso”. Eu mesmo escrevi há dez anos um artigo para um livro sobre a solidariedade numa pandemia. Embora, na época, eu achasse que nunca lidaria com uma verdadeira pandemia: nós, os éticos medicinais, há muito lutamos com questões como a distribuição de recursos escassos ou o equilíbrio entre os direitos individuais e as necessidades da população em geral. No entanto, nossa disciplina está evoluindo na pandemia: pensar em algo teoricamente é uma coisa. Quando se trata de uma verdadeira pandemia que também está sendo tratada na esfera pública política, isso é outra coisa.

A teoria pode provar agora que é válida também na prática...

Eu sempre achei injusta a acusação de que a teoria não leva em conta os problemas práticos. Mas é verdade, claro: a teoria é limpa. É muito mais lógica e, portanto, mais simples do que a realidade. No entanto, a realidade também deve levar a teoria a sério, é uma interação. E agora estamos vivenciando esta interação em tempo real, o que é algo fora do comum.

 


Alena Buyx é, desde maio de 2020, presidente do Conselho Alemão de Ética, do qual é membro desde 2016. A médica com pós-graduação em Filosofia e Sociologia pesquisou na Universidade de Harvard e no University College London, entre outros. Desde 2018, ela é professora de Ética da Medicina e de Tecnologias da Saúde na Universidade Técnica de Munique.


 

© www.deutschland.de