Ganhando para andar de bicicleta

A empresa social “bikuh” recompensa os ciclistas por cada quilômetro, protegendo assim o clima.

bikuh. A publicidade na bicicleta gera dinheiro de quilometragem.
A publicidade na bicicleta gera dinheiro de quilometragem. bikuh

Alemanha. O trânsito na Alemanha gera cerca de um quinto das emissões de CO2. É enorme o impacto desse gás pernicioso causado pelos carros, principalmente nas cidades. A empresa social „bikuh“ estimula as pessoas a andar de bicicleta.

Quero usar minha atividade profissional para agregar um valor social ao meu serviço.

Angela Gonzalez, fundadora da empresa emergente “bikuh”

Esta é a ideia

Andar de bicicleta e ganhar dinheiro. Esta é, em resumo, a ideia de “bikuh”. Em uma viagem à Austrália, Angela Gonzalez viu ciclistas que usavam a carreta da bicicleta como espaço publicitário. “Daí, minha cabeça começou a bolar ideias”, diz a empresária emergente. Durante seu estudo de Gestão de Projetos, ela já se ocupava com a responsabilidade empresarial, dado que a profissão não era tudo para ela, pois, como diz: “Quero usar minha atividade profissional para agregar um valor social ao meu serviço”. Juntamente com Patrick Kolb, perito em venda no ramo da eletrônica, ela continuou desenvolvendo a ideia da bicicleta. Na sua vida privada, Kolb vai de bicicleta a todo lugar. Não seria bom se pudéssemos conseguir que os empresários paguem os ciclistas?  

Assim funciona o app de “bikuh”

O app é o elemento central da “bikuh”, pois ele faz o contato entre os ciclistas e os anunciantes. Quem anda de bicicleta no mínimo 100 quilômetros por mês pode se registrar e recebe uma lista de parceiros publicitários. Quando ele se decide por um, ele vai a uma oficina de bicicletas para montar uma placa publicitária na roda dianteira. O app registra os percursos que ele corre. Quanto mais ele andar de bicicleta, maior será seu ganho. Novos associados recebem dez cêntimos de euro por quilômetro. 

Este é o plano futuro 

Mais de 7 mil ciclistas se registraram na fase-piloto em Frankfurt do Meno. “Em uma sondagem, três quartos deles afirmaram andar mais de bicicleta do que antes, por causa de “bikuh”, diz Kolb. Depois de testes bem-sucedidos, esta empresa quer agora crescer mais. “Nos próximos cinco anos, queremos estar representados em todas as cidades alemãs que tenham mais de 100 mil habitantes”.

O Social Impact Lab acompanhou os empresários emergentes na fundação da sua firma. “O Lab foi um teste para nós”, diz Gonzalez. “Tivemos de responder muitas perguntas: Qual é a forma jurídica que a nossa empresa deverá ter? Como se define um preço para um produto que ainda não existe?” O desenvolvimento tecnológico do app também foi uma longa etapa para os emergentes. Persistir valeu a pena.

© www.deutschland.de