“Um pouco mais inquieta”

Com “easy love”, Tamer Jandali abre a mostra “Perspectivas do Cinema Alemão” na Berlinale de 2019 e cria com isso um novo gênero.

Tamer Jandali durante as filmagens de “easy love”
Tamer Jandali durante as filmagens de “easy love” Hieronymus Rönneper

A programação da Berlinale classifica “easy love”, de Tamer Jandali, como filme documentário de ficção. O filme de abertura em “Perspectivas do Cinema Alemão” aborda o tratamento com o amor. O que chama a atenção: os intérpretes não são atores, mas sim sete moças e rapazes de Colônia, que Jandali acompanhou durante quatro meses.

Sr. Jandali, qual é a ideia por trás do seu filme “easy love”?

Queríamos encontrar uma nova maneira de apresentar a realidade, mas não de fazer um filme documentário padrão. Nós nos perguntamos de que outra maneira se pode ainda encontrar uma verdade. Não queríamos nenhum ator, queríamos gente real. E desenvolver junto com eles as histórias. Tivemos em primeiro lugar que encontrar as pessoas que estavam dispostas a se abrirem dessa maneira no filme. Revelar muita coisa das suas vidas, expor publicamente desejos e depressões. Isso não foi nada fácil.

“easy love” mostra pessoas e não atores
“easy love” mostra pessoas e não atores Janis Mazuch

Como o senhor designaria o gênero do seu filme?

Para a Berlinale, nós o designamos como filme documentário de ficção. Os atores representam a si próprios. A essência principal é o que há de legítimo.

Para o senhor, o que é especial no setor cinematográfico alemão?

Muita coisa simplesmente funciona bem. Por exemplo, os desenvolvimentos e acordos. Coisas que a gente em geral aprecia na Alemanha. Trabalho bom, de qualidade, cada um conhece seu setor e faz tudo corretamente.

Eu espero que a Alemanha se torne também um pouco mais corajosa.

Cineasta Tamer Jandali

Para usar o nome da mostra em que seu filme é apresentado: que perspectivas o senhor tem no cinema alemão?

Eu acho bom que a Berlinale tenha escolhido o nosso filme para o festival. Com isso, ela dá um sinal para que se teste corajosamente coisas novas – e também para se mostrar novos caminhos de como se pode narrar histórias. Eu espero que a Alemanha se torne também um pouco mais corajosa. Um pouco mais inquieta. E mais propensa a experimentos.

O que mais o alegra na Berlinale?

Que o filme seja mostrado a um grande público. Ele é como um pequeno diamante, que a gente traz consigo. Ele continua ainda trabalhando. É ótimo que o trabalho tenha valido a pena para todos os envolvidos.

Entrevista: Philipp Hallfahrt

Tamer Jandali com o câmera Janis Mazuch
Tamer Jandali com o câmera Janis Mazuch Chris Becher

Tamer Jandali nasceu em 1976 em Bonn. Ele trabalhou como terapeuta naturista e organizador de eventos, antes de estudar na Escola Superior de Mídia em Colônia, descobriu para si o cinema e desde 2011 trabalha como diretor. Ao lado disso, como ele próprio diz, é “dono de casa”, cuidando dos seus três filhos.

© www.deutschland.de

You would like to receive regular information about Germany? Subscribe here to: