Cooperação e competição

Na Alemanha, um pequeno grupo de economistas assessora o governo federal. Conheça aqui uma integrante desses “sábios econômicos”: Veronika Grimm.

Veronika Grimm assessora o governo alemão.
Veronika Grimm assessora o governo alemão. picture alliance/dpa

O governo federal é assessorado em muitas áreas importantes por especialistas da ciência e da pesquisa na Alemanha. Aqui apresentamos as personalidades e os grêmios mais importantes. A professora Veronika Grimm é integrantes do grupo chamado de “sábios econômicos” – o Conselho de Peritos para Avaliação do Desenvolvimento Integral da Economia.

“O futebol é um grande esporte: você aprende a jogar em equipe”, disse Veronika Grimm, chefe do departamento de Teoria Econômica da Universidade Friedrich Alexander (FAU) em Nuremberg/Erlangen, numa entrevista: “Esta interação entre cooperação e competição é particularmente fascinante nos esportes de equipe. A pesquisadora, especializada nos aspectos econômicos da política energética e climática, também recomenda esta tese aos políticos, de uma forma modificada. O Estado, escreve ela num artigo de jornal, é necessário na transformação para uma economia sustentável “menos como financiador do que como pioneiro, (...) criando as condições para a transformação”. Grimm diz: “Infelizmente, ainda confiamos demais nos programas de apoio governamental e muito pouco nos mecanismos de preços”. Pois, “os mecanismos de mercado são muito mais eficazes para uma coordenação de todos os atores”.

Grimm estudou Ciências Econômicas e Sociologia em Hamburgo e Kiel, obteve seu doutorado na Universidade Humboldt em Berlim, fez pesquisas na Espanha e na Bélgica e foi habilitada como professora acadêmica na Universidade de Colônia. Desde 2020, ela é uma entre os cinco “sábios econômicos”. Eles formam o mais conhecido grêmio consultivo do governo alemão.

Sugestões práticas para uma gestão eficiente de CO2

A experiência de Grimm não se limita a uma visão teórica da economia; ela faz propostas muito concretas. Por exemplo, a conversão da produção de aço em redução direta de ferro (DRI), o que reduziria as emissões em dois terços mesmo quando se utiliza gás natural em vez de coque. Se apenas um terço de todos os altos-fornos for convertido até 2030, poderia ser alcançado um quarto da redução de CO2 prescrita para a indústria alemã em seu todo. Ela vê outra grande oportunidade para a indústria alemã na construção de veículos movidos por baterias ou células de combustível.

E quando a mãe de três crianças não está ensinando, pesquisando ou assessorando? Veronika Grimm gosta de correr longas distâncias, pratica “Bouldering” (escalada de rochas) ou “Snowboarding” e treina o time de futebol da sua filha.

© www.deutschland.de

You would like to receive regular information about Germany? Subscribe here: