Colheita de tomate graças à energia solar

Em Benin, mais de 70 por cento das pessoas vivem da agricultura.  As energias renováveis – utilizadas com apoio da Alemanha –  aumentam a colheita e tornam o trabalho mais fácil.  

Tomatenernte  dank Sonnenenergie
Katrin Gänsler

O ar é seco e poeirento aqui no norte de Benin, o sol quase não é visível atrás das nuvens. O harmatã sopra, um vento de nordeste vindo do Saara. As temperaturas caem abaixo de 20 graus centígrados durante a noite. Não chove há meses, o solo é duro em muitos lugares. No entanto, nos campos da fazenda “Alafia Wanru” em Mareborou, um tomateiro fica ao lado do outro. A fruta mais popular e importante de Benin é cultivada aqui em 30 hectares de terras arrendadas. 

No final de janeiro, entretanto, muitas frutas vermelhas e maduras não podem ser vistas aqui. Este não é o momento certo para cultivar tomates, que precisam de muita água. No entanto, Estache W. Adje, gerente técnico da fazenda, diz: “Nós colhemos em média 1750 quilos por dia”. Ele acena com a cabeça, contente. A uns bons 100 metros de distância do gerente de 25 anos de idade, três mulheres trazem baldes cheios para a balança azul. Lá, cinco grandes cestas trançadas, cada uma pesando 35 quilos, já estão prontas para serem transportadas para o mercado. Cada uma delas rende atualmente o equivalente entre 7,60 e mais de 9 euros. 

Quatro bombas movidas a energia solar e um sistema de irrigação tornam possível o cultivo de tomates fora da estação. Adje se ajoelha e mostra uma mangueira preta com buracos minúsculos. É assim que todos os arbustos aqui são abastecidos com água. Para todos aqueles que cultivam tomates aqui – agricultores podem arrendar um ou mais hectares e pagar de dez a 20 por cento da colheita – esta é uma grande conquista. 

Estache W. Adje  trabalha na “Alafia Wanru”, que arrenda áreas aos fazendeiros.
Estache W. Adje trabalha na “Alafia Wanru”, que arrenda áreas aos fazendeiros.
Katrin Gänsler

Adje, que trabalha para a fazenda desde 2018, também se lembra bem de como o cultivo era antes trabalhoso e caro. Ele mostra um ponto à distância: “É lá que está o poço”. É o coração da fazenda. Mas para bombear a água, era necessário até agora um gerador a diesel. “Um funcionário vinha muito cedo pela manhã, para ligá-lo e tinha que verificar regularmente se tudo estava funcionando”. Durante permanentes oito horas, o gerador tinha que funcionar, consumindo enormes somas de dinheiro para o diesel. “Alguns dias nós pagamos mais de 70.000 francos CFA”, lembra Adje. O equivalente a quase 110 euros é mais do que o salário mensal de um trabalhador de limpeza ou de um trabalhador diarista. É claro, a fazenda estava constantemente dependente do fornecimento de diesel. Já que às vezes há escassez de diesel, isto levava a mais problemas. Em resumo: “Não era absolutamente rentável”, resume o gerente técnico. 


Agricultura é possível sem diesel 

Finalmente, os vizinhos demonstraram que a agricultura pode ser feita de maneira diferente, eles instalaram painéis solares para seu sistema de irrigação numa área de poucos hectares. Para o pessoal de “Alafia Wanru” ficou claro: o sistema funciona e pode ser implementado também em larga escala. Foi feito contato com a BRCE, uma empresa fundada em 2002. Ela tem seu escritório em Parakou, a terceira maior cidade do Benin, que fica a pouco menos de sete horas de carro da metrópole portuária de Cotonou. Muitas empresas solares têm suas sedes lá. BRCE trabalha em todo o norte do país e oferece a instalação de bombas movidas a energia solar, bem como a venda de kits solares completos. 

Os pequenos conjuntos incluem um coletor solar, uma bateria, cabos e soquetes para várias lâmpadas. Eles podem ser usados para levar luz a vilarejos que não estão conectados à rede elétrica. Em 2019, de acordo com estimativas do Banco Mundial, isto se aplicava a quase 60 % da população – 7,8 dos aproximadamente 13 milhões de habitantes de Benin. Apesar de todos os esforços do governo e dos doadores internacionais, a eletricidade ainda não é uma questão natural nas regiões rurais. 

Menos cortes de energia 

Em Parakou, também falta energia repetidamente, diz Mohamed Amine Sidi, diretor da BRCE. “Em alguns dias, até mesmo várias vezes. Então os compromissos caem porque não estamos lá a tempo, e isso, por sua vez, irrita nossos clientes”. Esta foi a motivação para a empresa oferecer sistemas solares desde 2018. Especialmente no início, porém, a instalação por si só não era suficiente: “Tivemos que fazer muito trabalho de convencimento. Hoje, 80 % das pessoas conhecem a importância da energia renovável”. É particularmente importante que aos lucros cubram rapidamente os custos iniciais e que as bombas, painéis e baterias tenham uma longa vida útil. 

De volta à fazenda “Alafia Wanru”, que Mouhamed Awali Djibril também visita regularmente. No BRCE, ele é responsável pelas energias renováveis e está em estreito contato com a Sociedade Alemã de Cooperação Internacional (GIZ). A GIZ trabalha em Benin desde 1978 e tem atualmente mais de 400 funcionários e funcionárias. Seus campos de trabalho incluem boa governança, proteção do meio ambiente e dos recursos naturais, assim como treinamento e crescimento sustentável.

Um projeto GIZ é a “Energia Verde dos Cidadãos”, que visa suprir as regiões rurais com energias renováveis, de forma descentralizada. A BRCE também recebe apoio financeiro. Além disso, os funcionários e funcionárias receberam treinamento para desenvolver um plano de negócios e aconselhar melhor os clientes sobre as vantagens da energia solar. A organização não governamental Energy 4 Impact, que organiza feiras e eventos informativos, está encarregada de aumentar a conscientização geral da população. Djibril percebe frequentemente que a aceitação das energias renováveis e a vontade de investir aumentam quando as pessoas estão bem-informadas e a manutenção dos sistemas funciona. Afinal de contas, os custos de compra por bomba com coletor são o equivalente a 3800 a 4500 euros. Se um poço tem que ser perfurado, ele custa pelo menos mais 1500 euros. Para Estache W. Adje, é um investimento que compensa rapidamente.

O futuro está na agricultura. Ela pode gerar muitos empregos, especialmente para os jovens. Para mim sempre foi claro: eu quero trabalhar neste setor

Estache W. Adje

Em todo caso, o presente de Benin está no trabalho agrícola: um quarto do produto interno bruto é gerado em campos de cultivo e hortas, e mais de 70 % das pessoas trabalham no setor. O mercado de frutas e legumes cresce de forma permanente – especialmente para o tomate. Djibril concorda: “O tomate é o ingrediente mais importante da culinária beninense. Ele não deve faltar em nenhum prato”.

© www.deutschland.de

You would like to receive regular information about Germany? Subscribe here: