“Realmente logrando algo”

A policial alemã Antje Pittelkau chefia a missão da UE no Níger.

Tarefa importante: Antje Pittelkau chefia a missão da UE no Níger.
Tarefa importante: Antje Pittelkau chefia a missão da UE no Níger. dpa

“Muitas vezes participo de grandes reuniões e só no final me dou conta de que sou a única mulher”. Para Antje Pittelkau, esta experiência não é nova – ao contrário, tornou-se um hábito, diz a policial, que em meados de janeiro de 2021 se tornou a primeira alemã a chefiar uma missão policial internacional. “Toda a minha vida profissional, eu tenho tido a tendência de trabalhar em campos dominados pelos homens”. Hans-Georg Engelke, secretário de Estado no Ministério Federal do Interior, chamou a decisão de Antje Pittelkau de dirigir a Missão Internacional de Polícia da União Europeia (UE) no Níger de “resolução tardia – mas um exemplo para a Alemanha e a UE”. Isto porque raramente as mulheres foram nomeadas para cargos superiores em missões policiais internacionais. Ela recebe muito incentivo das poucas mulheres da missão da UE no Níger, diz Antje Pittelkau ao telefone.

Tive a sorte de poder ir para o Afeganistão em 2004.

Antje Pittelkau, chefe da missão policial da UE no Níger

O fato de Pittelkau dirigir agora a EUCAP Sahel Niger na capital nigerina Niamei tem as suas raízes há quase 20 anos. “Tive a sorte de poder ir para o Afeganistão em 2004”, diz a policial de 53 anos de idade. O Ministério Federal do Interior havia lhe perguntado se ela queria ir para Cabul como consultora. Pittelkau concordou, sentiu-se “extremamente bem” e acabou ficando por quatro anos em vez de um ano, como era planejado. Depois disso, “meu instinto de andarilha foi despertado”, diz ela. Desde então, ela tem trabalhado principalmente em missões internacionais.

Policial em missão internacional

Em março de 2018, Pittelkau mudou-se para Niamei e tornou-se chefe adjunta do EUCAP Sahel Niger. Agora, ela sente que “chegou realmente”. Ela não sente ameaça latente, embora a situação de segurança no Níger e nos outros países do Sahel tenha se deteriorado bastante. A população sofre sobretudo com os ataques de grupos terroristas islâmicos dos países vizinhos de Burkina Faso, Mali e Nigéria. Já agora 900 mil pessoas da região fronteiriça dos três países buscaram refúgio nos países vizinhos, ao mesmo tempo em que há quase dois milhões de refugiados internos.

Treinamento para forças de segurança do Níger

Com quase 200 funcionários de 16 países membros no início de 2021, a União Europeia está apoiando o governo nigerino na construção de suas forças de segurança e oferecendo treinamento e assessoria. Pittelkau vê a cooperação entre as nações europeias como exemplar; na conversa, ela usa repetidamente a expressão “família europeia”.

Engajamento pelos direitos humanos

Desde o início da missão da UE em 2012, 19 mil mulheres e homens participaram do treinamento, segundo Pittelkau. Isto também trata dos direitos humanos, uma vez que as forças de segurança nigerinas cometem repetidamente graves violações dos direitos humanos. Após acusações particularmente duras, o governo nigerino abordou o EUCAP Sahel no outono de 2020 e pediu mais treinamento sobre direitos humanos, diz Pittelkau. “E isso é parte da razão pela qual me sinto bem aqui: porque você pode perceber que está realmente logrando algo”, os parceiros nigerinos queriam de fato corrigir os abusos.

Outro projeto importante do ponto de vista de Pittelkau é a criação de uma unidade móvel da polícia de fronteira. A nova unidade, muito bem treinada e equipada, deverá mudar-se para sua nova sede na região fronteiriça com a Nigéria no primeiro semestre de 2021.

© www.deutschland.de

You would like to receive regular information about Germany? Subscribe here: