Apostar por um mundo melhor

Aprender sustentabilidade através de jogos virtuais: Como isso pode funcionar? Esta pergunta foi respondida pelo game jam “Tomorrowcraft”. 

GameJam
AdobeStock

Seja “The Sims”, “Age of Empires” ou “Assassins Creed”, os jogos de computador sempre transmitem valores – e, portanto, também podem ser usados especificamente para transmitir perspectivas culturais e políticas.

Assim, a Agência Federal de Educação Cívica (bpb) organiza “game jams”, no qual usuários, programadores e ativistas desenvolvem conjuntamente jogos educacionais sobre vários tópicos. Em maio de 2021, a bpb cooperou pela primeira vez com o Ministério das Relações Externas. Sob o título “Tomorrowcraft - Global Sustainability Game Jam”, usuários de jogos, atores sociais e designers de jogos de todo o mundo se encontraram on-line por três dias para desenvolver, em equipes interdisciplinares, protótipos de jogos sobre o tema do desenvolvimento global sustentável.

“Para a ‘Sustentabilidade Global’ foi importante para nós trabalhar o tema a partir de mais do que apenas uma perspectiva alemã”, diz Kaspar Meyer, assessor do Ministério das Relações Externas. Na Alemanha, o tema da sustentabilidade é pensado principalmente em termos de meio ambiente. Outras metas da sustentabilidade, tais como justiça de gênero ou discriminação intersetorial, estão menos em vista, afirmou ele. “Estas questões às vezes estão muito mais presentes em outros países”, diz Meyer.

Solução de problemas globais com habilidades individuais

Era importante encontrar uma mistura diversificada de ativistas sociais e políticos, bem como de jogadores e produtores de jogos entre os participantes. “Queríamos conectar pessoas de diferentes origens, que pudessem usar suas habilidades individuais para desenvolver soluções lúdicas para problemas globais”, explica Meyer.

Tamiris viveu e estudou na Grã-Bretanha e na Alemanha.
Tamiris viveu e estudou na Grã-Bretanha e na Alemanha. privat

Cerca de 60 pessoas de 30 países participaram do “Tomorrowcraft”. Entre eles estava a brasileira Tamiris Cristhina Resende. Junto com dois alemães e um egípcio, ela está trabalhando num jogo que aborda a destruição da floresta amazônica. “O coronavírus tem mostrado as consequências que a invasão de ecossistemas pode ter sobre o mundo inteiro. Isto também é válido para a floresta amazônica. Não sabemos quantos vírus desconhecidos existem lá. É por isso que mostramos em nosso jogo que a saúde dos seres humanos, dos animais e do meio ambiente estão intimamente interligados”, explica Tamiris.

Queríamos conectar pessoas de diferentes origens, que pudessem usar suas habilidades individuais para desenvolver soluções lúdicas para problemas globais.

Kaspar Meyer , Ministério das Relações Externas

Em seu jogo, os jogadores correm através da floresta tropical com um macaco e, durante a missão, encontram outros animais ameaçados de extinção. Durante o jogo, eles entram em contato com seres humanos e vírus, vivenciam o desmatamento, a poluição e a eliminação ilegal de lixo. Desta forma, eles devem conscientizar-se da destruição da floresta tropical.

Tamiris, que tem um doutorado em Administração de Empresas, não tinha experiência anterior com design de jogos. Além disso, o que mais a atraiu foi trabalhar com pessoas de outros países. “Eu tinha que me levantar às cinco da manhã para participar. Mas isso não me incomodou, porque eu estava muito motivada e gostei muito do tema e da cooperação internacional”.

Mensagem séria por trás de uma fachada acolhedora

A “Equipe Borsch” já possuía experiência de jogo antes do “game jam”. O quarteto de designers alemães de jogos – Sophie Kawakami, Paula Shrayber, Jan Suchanek e Felix Mundschenk – desenvolveu um povoado fantástico. Entre as pessoas deste povoado, devem ser equilibrados três valores distintos. “A vontade de viver de forma sustentável vem de três aspectos”, diz Félix. “As pessoas têm de ser felizes, de ter dinheiro suficiente e, ainda assim, proteger a natureza. Nós usamos isso em nosso jogo”. Se um dos três valores cair, perde-se o jogo. “Era importante para nós criar um jogo leve e casual para não mostrar o dedo em riste aos jogadores potenciais. É por isso que embalamos o jogo de forma acolhedora e apropriada para crianças, mas a mensagem por trás dele é, naturalmente, uma mensagem séria”, explica o designer do jogo.

Felix já participou de inúmeros “serious game jams”, como o programa de intercâmbio internacional para desenvolvedores de jogos de todo o mundo “Game'n'Train Mixer” do Instituto Goethe.
Felix já participou de inúmeros “serious game jams”, como o programa de intercâmbio internacional para desenvolvedores de jogos de todo o mundo “Game'n'Train Mixer” do Instituto Goethe.
privat

Esta não foi a primeira vez que Felix participou de um “game jam”. No entanto, a cooperação internacional no “Tomorrowcraft” foi algo especial. Antes da concepção real dos jogos, a bpb e o Ministério das Relações Externas organizaram um dia de convenção onde os tópicos foram apresentados e discutidos em salas virtuais. “Eu mesmo estava numa sala com dois jogadores de Bangladesh e dois da Alemanha. Falamos sobre a ilusão da sustentabilidade de artigos importados. Foi empolgante discutir este tópico do ponto de vista dos produtores e não do ponto de vista dos consumidores”, conta Felix. A comunicação internacional lhe deu uma nova visão de muitas coisas.

Entretanto, a cooperação das equipes não terminou com o “game jam”. A maioria dos participantes continua a desenvolver seus jogos. É o caso também da Equipe Borsch e do grupo de Tamiris.

© www.deutschland.de