Risadas com efeito educativo

Em duas séries de vídeos, refugiados explicam como dar um novo rumo à vida na Alemanha – e como diferenças entre alemães e sírios podem ser engraçadas.

Peter Jelinek

As máquinas automáticas de bilhetes para o transporte público já levaram alguns usuários quase ao desespero. O tíquete “All-around” também vale para a Zona 5? Quantas estações se pode percorrer com um bilhete de curta distância? Vale realmente a pena o bilhete de quatro viagens? Mesmo quem anda de transporte público em uma outra cidade alemã não acha as respostas imediatamente. É ainda mais difícil para quem não vem da Alemanha. E assim lá está Deiaa Abdullah na plataforma e tem de pedir ajuda. Deiaa vem da Síria e precisa pedir orientação. A cena é parte da série “Lass uns lernen!” (“Deixe-nos aprender”), de Rody Almahmoud, no Youtube. Com seus vídeos, o cineasta sírio quer facilitar a retomada da vida dos refugiados na Alemanha.

Almahmoud escolheu a cena na máquina automática de bilhetes porque é uma situação típica que logo coloca os refugiados diante de problemas. Ele deixa seu protagonista vivenciar muitas destas situações cotidianas. Como me registro em um plano de saúde? Como encontro um apartamento? Como abro uma conta no banco? Estas são questões enfrentadas por Deiaa. Com seus filmes, Almahmoud ajuda seus espectadores não apenas a ampliar seu vocabulário e aprender melhor a gramática alemã. “Eu gostaria também de ajudar as pessoas a compreender melhor a cultura e explicar a elas como os alemães pensam”, diz Almahmoud, que vive em Colônia. “Assim pode-se então fazer contatos mais facilmente.”

Dez mil espectadores

Afinal, fazer contatos foi exatamente o mais difícil no início, conta o sírio de 30 anos. Por isso, ele começou rapidamente a aprender alemão numa escola comunitária Volkshochschule (VHS) e a colaborar na instituição na orientação de alemão. Com “Lass und lernen!”, ele também deseja ajudar outras pessoas a alcançar os níveis idiomáticos B1 e B2. E estes são mesmo muitos! Com as histórias de Deiaa no canal do Youtube, que apoiam refugiados igualmente no aprendizado do alemão, Almahmoud alcança com sua própria série dez mil espectadores.

Ainda mais bem-sucedidos com seus vídeos – mesmo que de uma forma bem diferente – são os dois sírios Abdul Abbasi, de 22 anos, e Allaa Faham, de 20. Em seu canal de Youtube German LifeStyle GLS, eles exageram, em esquetes e pegadinhas, estereótipos de alemães e sírios – e assim contribuem, com humor, para uma melhor compreensão do outro. “Quando pessoas possuem medo do desconhecido, nós precisamos encontrar um caminho para superá-lo, para permitir um mínimo de interação”, diz Abdul Abbasi. “O humor é, nesse caso, um meio simples e muito efetivo.”

Eles retiram sobretudo do cotidiano seus temas para os vídeos. Com frequência, o engraçado em seus filmes nasce da diferença cultural entre alemães e sírios. Seja em uma paquera, um cumprimento ou, por exemplo, ao pagar em um restaurante. “Na Síria, é normal que uma pessoa pague a conta para todos e até mesmo que se dispute um pouco para pagar a conta”, conta Allaa Faham. “Na Alemanha, a conta é calculada individualmente.” Como isto pode soar absurdo, eles mostram em um divertido vídeo. Às vezes, eles também atacam com mensagens para reflexão, como no vídeo em que Faham fala aos alemães que possuem medo dos refugiados.

A abordagem usada parece que vem sendo bem recebida. “Nós frequentemente escutamos que pegamos bem os detalhes das duas culturas”, diz Abbasi. E como os vídeos estão sempre nos dois idiomas, eles alcançam tanto alemães quanto sírios. Atualmente, Abbasi e Faham já possuem mais de 100.000 seguidores no Facebook e recebem muitos comentários positivos: “Vocês são mediadores entre as culturas; vocês unem onde outros somente dividem. Tiro o meu chapéu!”

As duas estrelas do Youtube não atuam como mediadores apenas na rede. Eles também se engajam em projetos como o “Life back home”. Em escolas alemãs, eles narram suas histórias pessoais: como era a vida na Síria antes da guerra civil, durante a guerra civil e como suas vidas são hoje na Alemanha. Dessa forma, eles alcançam especialmente jovens com sua mensagem e sua missão: aproximar-se do outro – deixar preconceitos de lado – viver juntos pacificamente! Por seu engajamento pela integração, Abbasi e Faham foram condecorados em 2016 com a medalha da integração do governo federal.

Paciência de ambos os lados

Apesar do grande sucesso, os dois prefeririam não ter que rodar mais nenhum novo filme. “Evidente que seria maravilhoso, se pudéssemos, se possível em breve, dizer: acabou, nossos vídeos não são mais necessários”, diz Allaa Faham. “Mas eu acho que nós também precisamos de paciência de ambos os lados.” E assim eles seguem em frente – e fazem uma turnê por palcos da Alemanha com um programa próprio.

Profissionalmente, os dois pretendem, no futuro, tomar caminhos diferentes. Abdul Abbasi deseja ser dentista e está estudando para isto em Göttingen. Já o estudante de engenharia de mídias Faham quer profissionalizar-se em filmagens – assim como Rody Almahmoud. Com seus vídeos, Almahmoud gostaria de dar um passo a mais para seu objetivo pessoal: conquistar uma formação ou um emprego no ramo de cinema. Filmar, cortar, sonoplastia, roteiro – Rody Almahmoud já faz isto tudo sozinho. “Com a série, posso mostrar que eu sei fazer”, diz ele. E sua primeira encomenda ele já recebeu: vai rodar um filme institucional para a VHS.