“Arrisque tudo!”

A digitalização não funciona em pequenos passos, diz o perito Christoph Bornschein. As empresas têm de se transformar radicalmente. 

A digitalização exige novos processos e ideias
A digitalização exige novos processos e ideias dpa

Christoph Bornschein é membro de uma agência de transformação digital que leva o nome de “Torben, Lucie und die gelbe Gefahr” (TLGG), com sede em Berlim e Nova York. Essa agência de consultoria presta serviços a ministérios federais e a empresas do DAX em assuntos da digitalização.

Christoph Bornschein, perito em digitalização
Christoph Bornschein, perito em digitalização dpa

Senhor Bornschein, qual é a tendência digital que mais o impressiona? 
Muito mais do que as tendências digitais, o que mais me impressiona é a nova forma de lidar com os temas digitais. Cada vez mais empresas e instituições tradicionais estão descobrindo que suas tradições não lhes proporcionam mais vantagens competitivas. Elas querem saber quais papeis elas podem assumir na economia digital, falando mais raramente sobre tools e transformações específicas. 

O senhor disse uma vez que a economia alemã vivia de modelos sociais do passado. É realmente tão grave assim?
Por um lado, sim. Durante todo um século fizemos inovações, aprimorando-as sucessivamente e resolvemos problemas de fornecedores. Mas uma transformação digital ficou por muito tempo na gaveta, como sendo uma próxima etapa de otimização e não como uma mudança completa de tudo o que ela representa. Para tanto, só poucos tinham um plano ou somente uma visão de um determinado objetivo. Por outro lado, está se tornando cada vez mais claro que se necessita mais do que da digitalização de processos tradicionais, ou seja, precisamos de processos totalmente novos, de novas ideias de novas empresas. 

A transformação precisa de pedantes e birutas

Christoph Bornschein, perito em digitalização

O senhor é chamado de “encantador de digitalização”. Como os empresários alemães devem reagir agora?
Os mercados do tipo “o vencedor é quem leva tudo”, que surgem na maioria dos ramos, provocam muitos perdedores. Medidas isoladas e departamentos de inovação não são suficientes. Arrisque tudo! As pequenas empresas têm de saber que elas precisam da cooperação. Muitas das grandes modificações, da cadeia de valores agregados até as plataformas dos setores, não podem se transformar individualmente. Não tente fazer isso sozinho! 

Sua agência TLGG afirma que a transformação precisa de pedantes e birutas, que a transformação precisa de razão e confete. O que isso significa?
Uma transformação que tenha sucesso surge de uma relação saudável entre as forças impulsoras e as forças persistentes. Identificar aquilo é que digno de se preservar, fazendo-o participar de transformações básicas, é um elemento essencial do nosso trabalho de consultoria. Um outro é dar a essas transformações uma forma efetiva e inclusiva.

O senhor pôs em questão se uma democracia pode reagir às megatendências o mais rápido possível. Mais rápidas seriam as decisões impostas por um comitê político. São as formas de governo que decidem sobro o êxito?
Diferentes formas de governo geram primeiramente diferentes condições de ações concretas. O problema da nossa democracia, em especial, é que ela, embora reconheça a necessidade de agir, não pôde formular quase nenhuma estratégia, nem mesmo objetivos. Ela gostaria de continuar otimizando o status quo. Todavia, já deixamos muito para trás a era da otimização. 

Entrevista: Martin Orth

© www.deutschland.de