A ideia é apenas o primeiro passo

Quatro startups da Alemanha. Seja produção de energia ou robô lixeiro, o objetivo mais importante é a aplicação prática e a viabilidade comercial do produto.

A energia solar pode resolver todos os problemas.
A energia solar pode resolver todos os problemas. picture alliance / dpa

A economia alemã é uma das economias mais fortes e inovadoras do mundo. Apresentamos a vocês quatro startups que comprovam esse fato com ideias extraordinárias. Três dessas empresas emergentes se ocupam com a energia e uma delas faz a limpeza do nosso meio ambiente.

Heliatek – todas as superfícies se tornam usinas

Folhas finas e em breve transparentes de material plástico, revestidas com material orgânico, produzem tanta  energia solar como até agora somente os voluminosos painéis solares o faziam. Isto não é apenas uma visão da firma Heliatek, de Dresden, mas atualidade. Essa firma desenvolveu e patenteou 315 produtos de tecnologia OVP, levando-os ao mercado, tendo já vendido 70 por cento da produção para 2022. As visões de Heliatek estão crescendo com os sucessos reais, pois, no ano de 2030 já será possível que todo prédio possa ser climaticamente neutro, foi a declaração postada no website da empresa. 

Marvel Fusion – um reator limpo

Um reator nuclear sem cadeia de reação, sem irradiação e sem resíduo radioativo? É exatamente isso que a firma Marvel Fusion, de Munique, promete. Raios laser deverão aquecer o hidrogênio e o boro, fundindo-os em hélio. Essa fusão libera muita energia, mas, de resto nada, nenhuma irradiação que seja significativa – uma quantidade que também surge na radiografia – e nenhum resíduo radioativo. E uma possível reação em cadeia incontrolada também não existe. Quando se desliga o laser, a fusão é interrompida. Este projeto vem sendo elaborado por qualificados pesquisadores do mundo todo. Atualmente, Marvel Fusion está em busca de uma localidade para construir uma usina de ensaio de dois bilhões de euros.

Phelas – o ar como depósito de energia

É problemático produzir energia sustentavelmente, mas a sua armazenagem também é outro problema. A empresa emergente Phelas, fundada faz menos de dois anos em Munique, usa o ar para a armazenagem de energia. A energia produzida na compressão do ar liquefeito é liberada quando o ar se torna novamente gasoso. Os depósitos, do tamanho de contêineres normalizados, podem ser colocados em todos os lugares, tanto para o armazenamento de energia como para o seu consumo. E há mais uma vantagem: se acontecer um acidente, o que escapa daí é só ar. Phelas tem apoiadores famosos, como a agência espacial europeia ESA. Phelas pretende introduzir o seu produto no mercado em 2025.

Angsa – um robô faz a limpeza

Tampas de garrafa e pontas de cigarro. Essas pequenas coisa se tornam um grande tema quando enchem os parques e os gramados. A trabalhosa coleta desse lixo deverá ser brevemente assumida por um robô da startup Angsa Robotics. Esse robô usa uma câmera e a inteligência artificial para identificar o que ele deve sugar do solo. Em 2022, os estudantes muniquenses Karl Schulz , Bilal Tariq e Lukas Wiesmeier pretendem introduzir no mercado o seu coletor de lixo com sistema de autopilotagem. Aliás, Angsa significa em indonésio cisne. Tariq veio da Indonésia para estudar na TU de Munique.

© www.deutschland.de

You would like to receive regular information about Germany? Subscribe here: