Juntos pela proteção das espécies

Focas, morcegos e aves de arribação: os três exemplos mostram como a Alemanha se empenha, com seus parceiros europeus, pela proteção dos animais.

Foca-cinzenta na praia de Helgoland
Foca-cinzenta na praia de Helgoland picture alliance/imageBROKER

Patrimônio da Humanidade Mar de Wadden: ajuda de vizinhos para a foca-cinzenta

A foca-cinzenta não reconhece fronteiras: para o maior predador no sul do Mar do Norte, tanto faz se mergulha em busca de peixe na costa dinamarquesa, alemã ou holandesa. Porém, a foca-cinzenta se beneficia do fato de que os três países cooperam estreitamente na preservação da natureza: já desde 1978, eles trabalham conjuntamente a fim de preservar o Mar de Wadden como unidade ecológica. Em 2009, o Mar de Wadden dinamarquês-alemão-holandês foi incluído na lista de Patrimônios Naturais da Humanidade pela Unesco. Em meados de 2019, os especialistas dos três países constataram que a população de focas-cinzentas no Mar de Wadden aumentou constantemente nas décadas passadas.

EUROBATS: Proteção europeia para os morcegos

Os morcegos caíram em descrédito recentemente – através da suspeita de que poderiam ter sido os transmissores do coronavírus. Mas isso não vale para as espécies europeias. Para os especialistas, é certo contudo que eles são os melhores indicadores de um meio ambiente saudável: onde as populações de morcegos se desenvolvem bem, o sistema ecológico é intacto e estável. Eles se alimentam de insetos e mantêm sua propagação em equilíbrio ecológico, o que protege por exemplo as árvores de uma infestação. Como um dos primeiros países, a Alemanha ingressou em 1993 no EUROBATS, o acordo para a preservação das populações europeias de morcegos. O secretariado do EUROBATS encontra-se no campus da ONU em Bonn. Atualmente, 37 países membros trabalham conjuntamente na proteção dos mamíferos voadores, da Noruega até Israel, de Portugal até a Geórgia.

Morcego de Bechstein numa galeria na Renânia do Norte-Vestfália
Morcego de Bechstein numa galeria na Renânia do Norte-Vestfália picture alliance / blickwinkel/P. Schuetz

Convenção de Bonn: cooperação em prol das aves de arribação

Elas têm de sobreviver a viagens perigosas: a maioria das aves de arribação, como por exemplo as andorinhas-do-mar e as cegonhas, percorrem até mesmo milhares de quilômetros entre seu hábitat de verão e as regiões de hibernação na África. Os perigos incluem desde os caçadores até as redes de distribuição de eletricidade sem proteção. Com o apoio da Alemanha, entrou em vigor em 1983 a Convenção de Bonn para proteção de espécies itinerantes de animais, entre os quais as aves de arribação constituem o maior grupo. Entrementes 129 países, bem como a União Europeia, aderiram à Convenção. Através de numerosos acordos, em parte compulsórios conforme o direito internacional, as viagens das aves de arribação tornaram-se um pouco mais seguras.

Voo de cegonha sobre Hessen
Voo de cegonha sobre Hessen picture alliance/dpa

© www.deutschland.de

You would like to receive regular information about Germany? Subscribe here: