Investir em cabeças pensantes

O processo de recuperação econômica no Leste da Alemanha está estagnado. Que fazer? O cientista econômico Oliver Holtemöller cita as ferramentas de ajuste.

Saguão do novo prédio de Química da Universidade Técnica de Dresden
Saguão do novo prédio de Química da Universidade Técnica de Dresden TUD/ tu-dresden.de

Professor Holtemöller, o processo de recuperação econômica nos novos Estados federados estagnou em cerca de 70 ou 80 por cento do nível alemão ocidental, após um rápido êxito inicial após a reunificação em 1990. Ainda é possível atingir os pontos percentuais restantes?
Depende a que se atribui esses 70 até 80 por cento. No índice corrente do Produto Interno Bruto por habitante, uma aproximação maior é praticamente impossível, em virtude da forte transformação demográfica no Leste da Alemanha – com mais pessoas velhas e menos jovens. Na produtividade, seria desejável uma equiparação maior. Mas existem muitos empecilhos, que estão relacionados com a capacidade de inovação. A pesquisa de ponta fomentada oficialmente ocorre sobretudo no Oeste da Alemanha, e as verbas privadas de pesquisa estão no Leste muito abaixo do nível do Oeste. Além disso, a diversidade e a internacionalidade, que também estimulam a capacidade de inovação, são pouco marcantes no Leste da Alemanha. Em tempo previsível, não é de se esperar que a velocidade de convergência aumente novamente.

O professor Oliver Holtemöller é o vice-presidente do Instituto de Pesquisa Econômica de Halle.
O professor Oliver Holtemöller é o vice-presidente do Instituto de Pesquisa Econômica de Halle.
IWH

Onde estão os pontos fortes da indústria do Leste alemão?                                                                                                                                                                      Determinante para aumentar a ocupação e o crescimento econômico na Alemanha é o setor da prestação de serviços. Na indústria, a intensidade de conhecimento é decisiva. Faltam no Leste da Alemanha os fanais correspondentes. Uma região que, comparativamente, se desenvolve de forma dinâmica é a de Jena, com sua prioridade na indústria óptica.

Fortalecer a cultura das boas-vindas, a pesquisa de ponta e os fundadores de empresas no Leste da Alemanha

Professor Oliver Holtemöller, do Instituto de Pesquisa Econômica de Halle (IWH)

E quais são os pontos fracos?
Há duas grandes áreas a serem trabalhadas: a demografia e a força de inovação. Ambas estão interligadas: se os Estados alemães orientais não se tornarem mais atraentes para a mão de obra bem qualificada, então os problemas econômicos deverão agravar-se. Isso começa na educação das crianças pequenas e vai até a cultura das boas-vindas. As universidades precisam ser fortalecidas de forma a que possam concorrer melhor na pesquisa de ponta com as universidades alemãs ocidentais e internacionais. A inovação surge frequentemente em empresas jovens e novas, sendo preciso assim um dinamismo na fundação de empresas. Uma preservação de velhas estruturas é um empecilho em longo prazo.

Entrevista: Martin Orth

© www.deutschland.de