Sobre a sensação intuitiva de pátria

O que é pátria, onde fica a pátria? Perguntamos três pessoas que se mudaram da Alemanha para lugares distantes.

Walter J. Lindner é embaixador alemão na Índia.
Walter J. Lindner é embaixador alemão na Índia. picture alliance/dpa

Pátria é onde sinto minhas raízes.

"Desde que minha filha saiu de casa, meus pais e meu irmão morreram, depois da minha 14ª mudança para outro continente, eu quase disse: Minha casa é onde estão meus móveis. Mas cada vez mais outro sentimento se instala: sentir-se em casa, sentir raízes culturais. E isso pode ser desencadeado por um delicioso pretzel com manteiga, um concerto de Bach na Igreja de São Tomás ou um passeio matinal no alegre Friedrichshainkiez. Esta sensação intuitiva de familiaridade raramente ocorre em regiões distantes. Assim, o meu conceito de pátria corresponde a uma Alemanha tolerante e colorida, com uma forte pitada de viagens frequentes a lugares distantes.

Walter J. Lindner
Walter J. Lindner, 62, é natural de Munique. Em 1988, ele entrou para o serviço diplomático. Desde abril 2019, ele representa a República Federal da Alemanha como embaixador na Índia. Ele também adora fazer música.

Pátria é onde vive minha família

"Pátria para mim não é um lugar, mas antes um sentimento. Com Trier, onde passei minha infância e juventude, associo família, o tempo de escola e os amigos que me moldaram. Isto é uma sensação de lar. Bruxelas só se tornou a minha casa quando comecei uma família. Só através das crianças é que criamos raízes aqui. Por isso, pátria é a família, não importa onde ela viva."

 Gina Braun-Friderici
Gina Braun-Friderici, 41, cresceu em Trier, estudou em Saarbrücken e na França, e desde 2003 trabalha no Parlamento Europeu em Bruxelas.

Pátria é de onde eu venho

"Para mim, a pátria é de onde venho e onde tenho minhas raízes - em Heppenheim. Na minha juventude e nos meus anos de escola, vivi lá as minhas experiências mais importantes, fiz amigos e reuni memórias que ainda hoje são importantes. Sempre sou atraído a retornar para lá. Sinto-me muito bem em Xangai, onde também tenho muitos contatos sociais e profissionais. Mas, para mim, 'segunda pátria' é uma frase de efeito. Só existe uma pátria."

Dietmar Winter
Dietmar Winter, 55, cresceu em Heppenheim, nos anos 1990 estudou na China e desde 2000 vive em Xangai, onde dirige uma empresa alemã.

Registrado por Martin Orth

© www.deutschland.de

 

You would like to receive regular information about Germany? Subscribe here: